Ementas

Área de Concentração: Estudos de Organizações no Brasil


Disciplinas Obrigatórias de Área de Concentração

EPISTEMOLOGIA DO PENSAMENTO EM ADMINISTRAÇÃO

Ementa

O pesquisador em administração. Pressupostos individuais e paradigmas de pesquisa em Administração. O que é uma dissertação. Tipos de

conhecimento e as ciências sociais. O problema de pesquisa e sua relevância. Questão e objetivos da pesquisa. Delimitação do estudo. Definição de

termos. Revisão de literatura e referencial teórico. Metodologia de pesquisa: processo e produto - o desenho da pesquisa e tipos. Levantamento e

geração de dados. Análise e tratamento dos dados. Referências e normas técnicas da ABNT. Elaboração de projeto de pesquisa que servirá como

exercício para a elaboração do projeto de pesquisa definitivo.


Bibliografia

BOOTH, Wayne C.; COLOMB, Gregory G.; WILLIAMS, Joseph M. The craft of research. 2. ed. Chicago: Chicago Press, 2003. http://www.intermass.com/ppt/craft-of-research.pdf

BOTELHO, Delaine; ZOAUIN, Deborah Moraes (orgs.). Pesquisa quantitativa em administração. São Paulo, SP: Atlas, 2006. 534 p.

COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003. 640 p.

DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo, SP: Atlas, 2000. 216 p.

______. Saber pensar. São Paulo, SP: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2002. 06 v. Coleção/Série: Guia da Escola Cidadã.

EASTERBY-SMITH, Mark; THORPE, Richard; LOWE, Andy. Pesquisa gerencial em Administração: Um guia para Monografias, Dissertações,

Pesquisas Internas e Trabalhos em Consultoria. São Paulo: Cengage Learning, 1999. 172 p.

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 2003.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

HAIR JR., Joseph F. et al. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa de ciências humanas. Porto Alegre: Artmed,1999.

337 p.

MÁTTAR NETO, João Augusto. Metodologia científica na era da informática. São Paulo, SP: Saraiva, 2008. 308 p. ROESCH, Sylvia Maria A. Projetos

de estágios e de pesquisa em administração: Guia para Estágios, Trabalhos de Conclusão, Dissertações e Estudos de Caso. 7. ed. São Paulo, SP:

Atlas, 1999. 304 p.

VERGARA, Sylvia Constant. Métodos de pesquisa em Administração. São Paulo, SP: Atlas, 2005.

__________. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo, SP: Atlas, 2002.

VIEIRA, Marcelo M. Falcão; ZOAUIN, Deborah M. Pesquisa Qualitativa em Administração. Rio de Janeiro, RJ: Editora da FGV, 2004. 260 p.


TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES

Ementa:

Aspectos e significados acerca da perspectiva conceitual da organização e do atos de organizar, suas implicações teóricas e metodológicas. Sentidose representações das/nas práticas organizacionais. Perspectivas de estudos organizacionais: teorias, metáforas e principais abordagens atuais.Enfoques, autores e escolas da administração. Concepções clássicas, contemporâneas e teórico-críticas na administração. Estudos críticos emadministração: diferentes perspectivas. Principais teóricos organizacionais brasileiros e latino-americanos: clássicos e contemporâneos. Relaçõesentre as diferentes teorias considerando seus contextos de origem. Reflexões sobre as organizações brasileiras à luz da perspectiva teórica nacionale internacional.


Bibliografia

ADLER, Paul S.; FORBES, Linda C.; WILLMOTT, Hugh. Critical management studies: premises, practices, problems, and prospects. 2006 Disponível

em: http://group.aomonline.org/cms/Resources/Request.htm

ALCHIAN, Armen A.; DEMSETZ, Harold. Produção, custos de informação e organização econômica. Revista de Administração de Empresas

- RAE, v.45, n.3, p. 70-92-108, 2005.

ALVESSON, Mats; WILLMOTT, Hugh. On the idea of emancipation in management and organization studies. Academy of Management Review, v.17,

n.3, p.432-464, 1992.

ANTONELLO, C. S.; RUAS, Roberto e BOFF, Luiz H. Aprendizagem Organizacional e Competências. Os Novos Horizontes da Gestão. Porto Alegre:

Bookman, 2005.

ASTLEY, W. Graham; VAN DE VEN, Andrew, H. Debates e perspectivas centrais na teoria das organizações. Revista de Administração de Empresas

- RAE, v.45, n.2, p. 52-73 , 2005

BARNARD, Chester. As Funções do Executivo. São Paulo: Atlas, 1979.

BLAU, Peter; SCOTT, W. Richard. Organizações formais: uma abordagem comparativa. São Paulo: Atlas, 1970.

BÖHM, Steffen; SPOELSTRA, S. No critique. ephemera, v.4, n.2, p.94-100, 2004.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc. Una invitación a la sociología reflexiva. México: Siglo XXI Ed., 2005.

CALDAS, Miguel P., FACHIN, Roberto. Paradigma Funcionalista: desenvolvimento de teorias e institucionalismo nos anos 1980 e 1990. Revista de

Administração de Empresas, v.45, n.2, p.46-51, 2005.

CAMPOS, Edmundo (org.) Sociologia da Burocracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

CARVALHO, Cristina Amélia; VIEIRA, Marcelo Milano Falcão (Orgs.). Organizações, cultura e desenvolvimento local: a agenda de pesquisa do

Observatório da Realidade Organizacional. Recife: Editora UFPE, 2003.

CARVALHO, Cristina Amélia; VIEIRA, Marcelo Milano Falcão (orgs.). Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

CARVALHO, Cristina Amélia; VIEIRA, Marcelo Milano Falcão; GOULART, Sueli. A trajetória conservadora da teoria institucional. Revista de

Administração Pública, v.39, n.4, p.849-874, 2005.

CASTRO, A.C.; LICHA, A.; PINTO Jr., H.Q. e SABOIA, J.(Orgs.). Brasil em desenvolvimento, v. 1: instituições, políticas e sociedade. Rio de Janeiro:

Ed. Civilização Brasileira, 2005.

CASTRO, A.C.; LICHA, A.; PINTO Jr., H.Q. e SABOIA, J.(Orgs.). Brasil em Desenvolvimento, v. 2: economia, tecnologia e competitividade. Rio de

Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2005.

CAVALCANTI, Marly (Org.) Gestão social, estratégias e parcerias. São Paulo: Saraiva, 2006.

CHEN, M. e SPROULL, L. Organizational Learning, London:Sage, 1996. - Journal of Management Inquiry, n. 2, 373-390. Reprinted in Organizational

Learning, eds. Michael D. Cohen and Lee Sproull (Newbury Park, CA: Sage, 1995, 430-459); and in Classics of Organization Theory, 5th edition, eds.

Jay M. Shafritz and J. Steven Ott (NY: Harcourt College Publishers, 2001).

CHIA, R. In the realm of organization: essays for Robert Cooper. London: Routledge, 1998.

CLEGG, Stewart R.; HARDY, Cynthia; NORD, Walter R. (Orgs.) Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 1998. Vols. I, II e III.

COASE, R. H. The nature of the firm. Economica, v.4, 16, p.386-405, 1937.

COHEN, Michael D; MARCH, James C.; OLSEN, Johan P. A garbage can model of organizational choice. Administrative Science Quarterly, v.17, n.1,

p.1-25, 1972.

CONTU, A; WILLMOTT, H. Re-embedding situatedness: the importance of power relations in learning theory. Organization Science, v. 14 n. 3, p. 283-

297, 2003.

COOPER, Robert. Making present: autopoiesis as human production. Organization, v.13, n.1, p.59-81, 2006.

COOPER, Robert. Open field. Human Relations, v.29, n.11, 0.999-1017, 1976.

COOPER, Robert. Organization/Disorganization. Social Science Information, v.25, n.2, p.299-335, 1986.

COOPER, Robert. Relationality. Organization Studies, v.26, n.11, p.1689-1710

COURPASSON, D. (2000). Managerial strategies of domination ? power in soft bureaucracies. Organization Studies, v. 21, n. 1, pp. 141-161.

DAFT, Richard; WEICK, Karl E. Por um modelo de organização concebido como sistema interpretativo. Revista de Administração de Empresas ?

RAE, v.45, n.4, p.73-86, 2005.

DELLAGNELO, Eloise, MACHADO-DA-SILVA, Clóvis. Literatura sobre novas formas organizacionais: onde se encontram as evidências empíricas de

ruptura com o modelo burocrático de organizações? Anais do 24º do ENANPAD, 2000

DIERKES, Meinolf; ANTAL Ariane. B.; CHILD, John; NONAKA, Ikujiro (Orgs.). Organizational Learning and Knowledge, New York: Oxford, 2001.

DiMAGGIO, Paul J., POWELL, Walter W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais.

Revista de Administração de Empresas, v.45, n.2, p.74-89, 2005.

DOS SANTOS, Theotônio. A teoria da dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

DU GAY, Paul (Ed.) The values of bureaucracy. Oxford: Oxford University Press, 2005.

DU GAY, Paul. In praise of bureaucracy: Weber, organization, ethics. London: Sage, 2000.

FARIA, José Henrique de F.. Economia Política do Poder. Curitiba: Juruá, 2004. vs 1, 2 e 3.

FAYOL, Henri. Administração Industrial e Geral. São Paulo: Atlas, 1981.

FISCHER, Tânia (Org.) Gestão contemporânea: cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1996.

FLEURY, Sonia; OUVERNEY, Assis Mafort. Gestão de Redes: a estratégia de regionalização da política de saúde. Rio de Janeiro: Editora FGV,

2007.

FOLLET, Mary Parker. Mary Parker Follet: profeta do gerenciamento/organizado por Pauline Graham. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1997.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 2002.

FURTADO, C. O capitalismo global. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Editora Nacional, 1974.

GOULART, Sueli. Uma abordagem ao desenvolvimento local inspirada em Celso Furtado e Milton Santos. Cadernos EBAPE.BR, v.4, n.3, out. 2006.

GOULART, Sueli; VIEIRA, Marcelo Milano Falcão; CARVALHO, Cristina Amélia. Universidades e Desenvolvimento local: uma abordagem

institucional. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, 2005.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro/RJ: FGV, 1981.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A redução sociológica. 3ª ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1996.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. Administração e Contexto Brasileiro. Rio de Janeiro/RJ: FGV, 1983.

HALL, Richard. Organizações: estrutura, processos e resultados. São Paulo: Pearson Prentice-Hall, 2004.

HANNAN, Michael A.; FREEMAN, John. Ecologia populacional das organizações. Revista de Administração de Empresas - RAE, v.45, n.3, p. 70-91,

2005.

HERZBERG, Frederick. Mais uma vez: como motivar seus funcionários? In: VROOM, Victor H. Gestão de Pessoas, não de Pessoal: os melhores

métodos de motivação e avaliação de desempenho. São Paulo: Ed. Campus, 1997. p. 55-82.

HININGS, Bob. Organization. In: WESTWOOD, Robert; CLEGG, Stewart. Debating organization: point-counterpoint in Organization Studies.

Oxford: Blackwell Publishing, 2003. p.275-283

HOMANS, George. As pesquisas na Western Eletric. In: BALCÃO, Yolanda e CORDEIRO, Laerte. O Comportamento Humano na Empresa. Rio de

Janeiro: Ed. FGV, 1975.

JONES, Campbell; O?HERTY, Damian (Eds.) Manifestos for the business school of tomorrow. London: Davlin Books, 2005. p.206-213.

KALBERG, Stephen (Ed.) Max Weber: readings and commentary on modernity. Oxford: Blackwell, 2005.

KALBERG, Stephen. Max Weber?s types of rationality: cornerstones for the analysis of rationalization processes in history. American Journal of

Sociology, v.85, n.5, p.1145-1179. 1980.

KALLINIKOS, Jannis. The social foundations of the bureaucratic order. Organization, v.11, n.1, p.13-36, 2004.

LANGLOIS, Richard N. The vanishing hand: the changing dynamics of industrial capitalism. Industrial and Corporate Change, v.12, n.2, p.351-885,

2003.

LIKERT, Rensis. Novos padrões de administração. São Paulo: Livraria Pioneira, 1979.

LIKERT, Rensis. Organização humana. São Paulo: Atlas, 1975.

LUHMANN, Niklas. System as difference. Organization, v.13, n.1, p.37-57, 2006.

LUKES, Stephen. Power: a radical view. New York. MacMillan, 1993. p.11-64.

MADHOK, Anoop. The organization of economic activity: transaction costs, firm capabilities, and the nature of governance. Organization Science, v.7,

n.5, p.577-590, 1996.

MARAVELIAS, Christian. Freedom at work in the age of post-bureaucratic organization. Ephemera: theory & politics in organization, v.7, n.4, p.555-

574, 2007.

MASLOW, Abraham H. Diário de Negócios de Maslow. São Paulo: Qualitymark, 2003.

McGREGOR, Douglas. Os aspectos humanos da empresa. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1960.

MEYER, J. W., ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structures as myth and ceremony. In: MEYER, J. W., SCOTT, W. R. Organizational

environments: ritual and rationality. Updated Edition. London: Sage, 1992. p. 21-44.

MINTZBERG, Henry. Criando Organizações Eficazes: estruturas em cinco configurações. São Paulo: Atlas, 1995.

MISOCZKY, Maria Ceci; AMANTINO-DE-ANDRADE, Jackeline. Uma crítica à crítica domesticada nos estudos organizacionais. Revista de

Administração Contemporânea, v.9, n.1, p.193-212, 2005.

MISOCZKY, Maria Ceci Araujo ; FLORES, Rafael Kruter ; GOULART, Sueli . Estudos organizacionais e movimentos sociais: o que sabemos? para

onde vamos?. Cadernos EBAPE. BR (FGV), v. 6, p. 1-14, 2008.

MISOCZKY, Maria Ceci. Sobre o centro, a crítica e a busca da liberdade na práxis acadêmica. Cadernos EBAPE.BR, v.4, n.3, outubro 2006.

MISOCZKY, Maria Ceci; VECCHIO, Rafael Augusto. Experimentando pensar: da fábula de Barnard à aventura de outras possibilidades de organizar.

Cadernos EBAPE.BR, v. 4, n. 1, mar. 2006.

MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MOTTA, F. C. Prestes e VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia de. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

MOTTA, F. C. Prestes. O que é Burocracia? São Paulo: Abril Cultural/Brasiliense, 1985.

MOTTA, F. C. Prestes. Organização e Poder: Empresa, Estado e escola. São Paulo: Atlas, 1990.

MOTTA, Fernando C. Prestes. O estruturalismo na teoria das organizações. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 23-

41, out. dez. 1970.

MUNRO, Rolland. Unmanaging/Disorganization. ephemera, v.1, n.4, p.395-03, 2001.

NONAKA Ikujiro e TAKEUCHI Hirotaka. Criação de Conhecimento na Empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de

Janeiro: Editora Campus, 1998.

PAGÉS, Maz et al. O Poder das Organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PERROW, C. Complex organizations: a critical essay. New York: McGraw-Hill, 1986.

PFEFFER, J.; SALANCIK, G. Organizational decision making as a political process. Administrative Science Quarterly, v.19, n.1, p.135-151, 1974.

RANSON, S., HINNINGS, B., GREENWOOD, R. The structuring of organizational structures. Administrative Science Quarterly, v.25, n.1, p.1-17,

1980.

RUAS, Roberto; ANTONELLO, Claudia S; BOFF, Luiz H. (Orgs.) Aprendizagem organizacional e competências: os novos horizontes da gestão. Porto

Alegre: Bookman, 2005.

SIMON, Herbert A. Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas. Rio de Janeiro: FGV, 1970.

SÓLE, Andreù. Esta imagem da qual somos tão prisioneiros. Gestão.org www.dca.ufpe.br/gestaoorg

SROUR, Robert H. Poder, Cultura e Ética nas organizações: o desafio das formas de Gestão. São Paulo: Elsevier, Campus, 2005.

TAYLOR, Frederick W. Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas, 1982.

TRAGTENBERG, M. Administração, Poder e Ideologia. São Paulo: Cortez Editora, 1989.

TRAGTENBERG, M. Burocracia e Ideologia. São Paulo: Ed. Ática, 1992.

TSOUKAS, Haridimo; KNUDSEN, Christian (Eds). The Oxford handbook of organization theory. Oxford: Oxford University Press, 2003. p.373-391

VASCONCELOS, F.C e VASCONCELOS, I.F.G. (Orgs.) Paradoxos Organizacionais: Uma visão transformacional. São Paulo: Pioneira Thomson

Learning, 2004.

WACQUANT, Loïc. Critical though as solvent of doxa. Constellations, v.11, n.1, p.97-101, 2004.

WAHRLICH, Beatriz M. de Souza. Uma Análise das Teorias da Organização. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1986.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: UnB, 2004. Vols. I e II.

WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

WEICK, Karl E. Sensemaking in organization. London: Sage, 1995.

WESTWOOD, Robert; CLEGG, Stewart. Debating organization: point-counterpoint in Organization Studies. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

WILLIAMSON, Oliver E. Economics and organization: a primer. Califórnia Management Review, v.38, n.2, p.131-146, 1996.


MÉTODOS QUANTITATIVOS EM ADMINISTRÇÃO

Ementa:

Aspectos introdutórios da disciplina. Tipos e natureza das variáveis. Introdução à elaboração de instrumentos de medida. Regressão linear simples emúltipla. Estimação de intervalo e testes de hipóteses. Tipos e técnicas de amostragens. Cálculo do tamanho da amostra. Desenvolvimento de escalas. Preparação dos dados e critérios de validação. Análise fatorial exploratória e avaliação de confiabilidade. Análise de agrupamentos (clusters) e tipologias. Convergência de métodos para avaliação de dados: fatorial, clusters e testes bivariados. Análise da variância e da covariância.

Bibliografia

Bibliografia básica

-------------------

Livros

------

ANDERSON, David R.; SWWENEY, Dennis J.; WILLIAMS, Thomas A. Estatística Aplicada à Administração e Economia. 2. ed. Thomson: 2002.

ARANHA, Francisco; ZAMBALDI, Felipe. Análise Fatorial em Administração. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

BISQUERRA, Rafael; SARRIERA, Jorge Castellá; MATÍNEZ, Francesc. Introdução à Estatística: Enfoque informático com o pacote estatístico SPSS.

Porto Alegre: Artmed, 2004.

CARVALHO, Helena. Análise Multivariada de Dados Qualitativos: Utilização da HOMALS com o SPSS. Lisboa: Edições Silabo, 2004.

CHURCHILL, R. A Paradigm for Developing Better Measures for Marketing Constructs. Journal of Marketing Research, v. 16, p.53-64, February 1979.

COOPER, Donald R. e Schindler, Pamela S.. Métodos de Pesquisa em Administração - 7.ed. Porto Alegre, Bookman.

DAVIS, James A. Levantamento de Dados em Sociologia: Uma Análise Elementar. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

GUJARATI, D. N. Econometria básica. São Paulo: Campus, 2006.

Hair et al. Fundamentos de Métodos de Pesquisa em Administração. Porto Alegre, Bookman.

HAIR, Joseph; ANDERSON, Rolph E.; TATHAM, Ronaldo L.; BLACK William C. Análise Multivariada de Dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

LEVINE, David L.; BERENSON, Mark L.; STEPHAN, David. Estatística: Teoria e Prática usando Microsoft Excel em Português. Rio de Janeiro: LTC,

2000.

MADDALA, G. S. Introdução a econometria. Rio de Janeiro: LTC, 2003.

MANLY, Bryan J. F. Métodos Estatísticos Multivariados: Uma Introdução. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

MAROCO, João. Análise Estatística: com utilização do SPSS. Lisboa: Edições Sílabo, 2003.

PINDYCK, R.; RUBINFELD, D. L. Econometria. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à econometria ? uma abordagem moderna. São Paulo: Thomson, 2005.

Zouain, Deborah Moraes e Botelho, Delane. PESQUISA QUANTITATIVA EM ADMINISTRAÇÃO. São Paulo: Atlas, 2006.


Artigos e Revistas

------------------

BODILY, S.. TIME SERIES FORECASTING. Darden Business Publishing, University of Virginia, 1993.

CLYMAN, Dana R.. ANALYTICAL PROBABILITY DISTRIBUTIONS WITH EXCEL. Darden Business Publishing, University of Virginia, 2006.

DOLAN, R.. Research Methods in Marketing: Survey Research. Harvard Business School, 1981.

FREI, F. X. e CAMPBELL, D.. Simple Regression Mathematics. Harvard Business School, 2005.

Harvard Business School Publishing Corporation. Forecasting with Regression Analysis. Harvard Business School, 1996.

Harvard Business School Publishing Corporation. Regression Analysis. Harvard Business School, 1993.

Harvard Business School Publishing Corporation. The Use and Misuse of Statistics. Harvard Business School, 1994.

KAPLAN, R. S.. Variance Analysis and Flexible Budgeting. Harvard Business School, 2000.

PFEIFEr, P. E. INTRODUCTION TO LEAST-SQUARES MODELING. Darden Business Publishing, University of Virginia, 1996.

SCHLEIFER, A. Causal Inference. Harvard Business School, 1994.


MÉTODOS QUALITATIVOS EM ADMINISTRÇÀO

Ementa:

Bases filosóficas e epistemológicas das diferentes vertentes da pesquisa qualitativa. Métodos e técnicas de coleta de dados em pesquisa qualitativa. Análise e tratamento de informações em pesquisa qualitativa.


Bibliografia

Livros

------

ALVESSON, M.;SKÖLDBERG, K. Reflexive Methodology: New Vistas for Qualitative Research. Sage: London, 2000.

BANDEIRA-DE-MELLO, R.; GODOI, C. K.; DA SILVA, A. B. Pesquisa Qualitativa Em Estudos Organizacionais. Editora: Saraiva, 2007.

BARDIN, L. Análise do discurso. Lisboa: Edições 70, 1994.

BAUER, M. W.; GASKEL, G. Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2000.

BERTAUX, Daniel. L?approche biographique: sa validité méthodologique, ses potentialités. Cahiers Internationaux de Sociologie, v.LXIX, n.Histoires

de vie et vie sociale, juillet-décembre, pp.197-225, 1980.

BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 2008.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Löic. Racionalidade e reflexividade: nota aos leitores brasileiros. In: Prefácio, Convite a sociologia reflexiva. Rio de

Janeiro: Relume Dumará, 2002.

CHO, Jeasik; TRENT, Allen. Validity in qualitative research revisited. Qualitative Research. v. 6, n. 3, 2006.

DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

DENZIN, N.K.; LINCOLN, Y.S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teoria e abordagens. 2.ed. Ed. Artmed. Porto Alegre. 2006

DENZIN, Norman K. Performance ethnography: critical pedagogy and the politics of culture. London: Sage, 2003.

DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. Handbook of qualitative research: Third Edition. London: Sage, 2005.

GRANT, David; HARDY, Cynthia; OSWICK, Cliff; PUTNAN, Linda. The Sage Handbook of Organizational Discourse. London: Sage, 2004.

GUILLEMIN, Marilys; GILLAN, Lyn. Ethics, Reflexivity and ?Ethically Important Moments? in Research. Qualitative Inquiry. v. 10. n. 2, 2004.

JAIME, P. Pesquisa em Organizações: por uma abordagem etnográfica. Civitas ? Revista de Ciências Sociais, v. 3, n. 2, p. 435-456, 2003.

LAHIRE, Bernard. Homem Plural. Os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 2002.

LE MOIGNE, Jean-Louis. Les épistemologies constructivistes. Paris: Puf. 2007.

MANN, Chris; STEWART, Fiona. Internet communication and qualitative research: a handbook for researching on line. London: sage, 2000.

PATTON, Michael Quinn. Qualitative research and evaluation methods. London: Sage, 2002.

ROCHA DE OLIVEIRA, Sidinei ; PICCININI, Valmiria Carolina . Validade e reflexividade na pesquisa qualitativa. Cadernos EBAPE.BR (FGV), v. VII,

p. 84-92, 2009

SANDBERG, Jörgen. How do we justify knowledge produced within interpretative approaches. Organizacional Research Methods. v. 8, n 1. Jan/2005.

SEALE, Clive et al. Qualitative research practice. London: Sage, 2004.

SPINK, M. J. P. (Org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez. 2004.

THIOLLENT, Michel. Pesquisa ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração, 11.ed. São Paulo : Atlas, 2009.

VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. Pesquisa qualitativa em Administração ? Volume 1. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. Pesquisa qualitativa em Administração ? Volume 2. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.


Artigos:

--------

ALVESSON, M. Beyond Neopositivist, Romantics and Localist: A Reflexive Approach to interview in Organizational Research. Academy of

Management Review, v. 28, n. 1, p. 13-33, 2003.

CALDAS, M. P. Contribuição Teórica: como assim, cara pálida? RAE ? Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 3, p. 65-68, 2003

EISENHARDT, K. M.; GRAEBNER, M. E. Theory Building From Cases: Opportunities And Challenges. Academy of Management Journal, v. 50, n. 1,

p. 25?32, 2007.

GEPHART, R. P. Qualitative research and the Academy of Management Journal. Academy of Management Journal, 47: 454?462, 2004.

GIOIA, D. A.; PITRE, E. Multiparadigm Perspectives on Theory Building. Academy of Management Review. v. 15, n. 4, p. 584 ? 602, 1990.

GULATI, R. Tent Poles, Tribalism, And Boundary Spanning: The Rigor-Relevance Debate Tn Management Research. Academy of Management

Journal, v. 50, n. 4, 775?782, 2007.

LANGLEY, A. Strategies for Theorizing from Process Data Reseach. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p.691-710, 1999.

LEWIS, M. W.; GRIMES, A. J. Metatriangulation: Building theory from multiple paradigms. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p. 672-

690,1999.

PENTLAND, B. T. Building Process Theory with Narrative: From Description to Explanation. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p. 711-724,

1999.

SUTTON, R. I.; STAW, B. M. O que não é Teoria. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 3, p. 74-84, 2003.

VERGARA, S. C.; CALDAS, M. P. Paradigma Interpretacionista: a busca da superação do objetivismo funcionalista nos anos 1980 e 1990. Revista de

Administração de Empresas, v. 45, n.4, p. 66-72, 2005.

VERGARA, S. C.; VIEIRA, M. M. F. Sobre a dimensão tempo-espaço na análise organizacional. Revista de Administração Contemporânea. v.9, n.2,

p. 103-119, 2005.

WEAVER, G. R.; GIOIA, D. A. Paradigms Lost: Incommensurability vs Structurationist Inquiry. Organization Studies, v. 15, n. 4, 1994.


Linha de Pesquisa: Administração Brasileira


Disciplinas Obrigatórias

ESTRATÉGIA DAS ORGANIZAÇÕES

Ementa:

Visão das várias ferramentas e escolas de estratégia e a evolução do pensamento estratégico crítico na área. Análise crítica das estratégias epráticas em estratégias empresariais. Pensamento estratégico brasileiro discutido por temas como gestão contemporânea, empreendedorismo,cooperação e competição, competências e fatores de sucesso, internacionalização, vantagem competitiva e teoria de recursos e suas implicações nagestão. Gestão estratégica.


Bibliografia

Livros:

BARNEY, Jay B. Gaining and sustaining competitive advantage. 2. nd. New Jersey, Upper Saddle River: Prentice Hall, 2002. Chapter 1: What is

strategy. p. 1-24.

________. Gaining and sustaining competitive advantage. 2. nd. New Jersey, Upper Saddle River: Prentice Hall, 2002. Chapter 5: Evaluating

firmstrengths and weaknesses: the resource-based view. p. 149-192.

________. Gaining and sustaining competitive advantage. 2. nd. New Jersey, Upper Saddle River: Prentice Hall, 2002. Chapter 6: Vertical

integration. p.193-232.

________. Gaining and sustaining competitive advantage. 2. nd. New Jersey, Upper Saddle River: Prentice Hall, 2002. Chapter 15: International

strategies. p. 516-552.

BETHLEM, Agricola. Evolução do pensamento estratégico no Brasil: textos e casos. São Paulo, SP: Atlas, 2003. 184 p.

BESANKO, David et al. Economics of strategy. 4th ed., New York: John Willey&Sons, 2007.

BOWMAN, E.; SINGH, H.; THOMAS, H. The domain of strategic management: history and evolution. In: PETTIGREW, A.; THOMAS, H.;

WHITTINGTON, R. (eds.). Handbook of strategy and management. London: Sage Publications, 2006, Chapter 2. p. 31-51.

COSTA, Eliezer Arantes da. Gestão estratégica. São Paulo, SP: Saraiva, 2003.

CLARKE, Thomas. Introduction: Theories of Governance: Reconceptualizing corporate governance theory after the Enron Experience. In: CLARKE,

Thomas (ed.). Theories of corporate governance: The philosophical foundations of corporate governance. New York: Routledge, 2004. p.1-30.

GHEMAWAT, Pankaj. A estratégia e o cenário de negócios. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2007. 176 p.

GRANT, Robert M. Contemporary strategy analysis: concepts, techniques, applications. 2 ed. Cambridge: Blackwell Publisher, 1995.

HITT, Michael; IRELAND, T. Duane; HOSKISSON, Robert E. Administração estratégica: competitividade e globalização. 2. ed. São Paulo: Thomson

Learning, 2008.

HUNGER, J. David; WHEELEN, Thomas L. Gestão estratégica: princípios e prática. 2. ed. Rio de janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2002. 288

p.

KOGUT, Bruce. International management and strategy. In: PETTIGREW, A.; THOMAS, H.; WHITTINGTON, R. (eds.) . Handbook of strategy &

management. London: Sage Publications, 2006. Chapter 12. p. 261-278.

MINTZBERG, Henry.; AHLSTRAND, Bruce; LAMPEL, Joseph. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre:

Bookman, 2000. 299 p.

____________. O processo de estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. p. 193-206.

____________. The strategy process: concepts, contexts, cases. New Jersey, Upper Saddle River: Prentice Hall, 1996.

____________. The strategy process: concepts, contexts, cases. Upper Saddle River, New Jesey: Prentice Hall, 1996. Chapter 1: The strategy concept. p. 2-17.

PETTIGREW, Andrew; THOMAS, Howard; WHITTINGTON, Richard (eds.). Handbook of strategy and management. London: Sage Publications,

2002. Chapter 1.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬___________, Andrew; THOMAS, Howard; WHITTINGTON, Richard. Handbook of strategy and management. London: Sage

Publications, 2006, p. 373-408.

PFEFFER, Jeffrey; SALANCIK, Gerald. The external control of organizations: A resource dependence perspective. New York: Harper & Row, 1978.

PORTER, Michael E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. 409 p.

PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Elsevier, 1989. 512 p.

SERRA, Fernando; TORRES, Maria Cândida S.; TORRES, Alexandre P. Administração Estratégica: Conceitos, Roteiro Prático e Casos. São Paulo,

SP: Ernesto Reichmann, 2002. 178 p.

TAVARES, Mauro Calixta. Gestão estratégica. 2. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2007.

VENKATRAMAN, N.; SUBRAMANIAN, M. Theorizing the future of strategy: questions for shaping strategy research in the knowledge economy. In:

PETTIGREW, A.; THOMAS, H.; WHITTINGTON, R. (eds.). Handbook of strategy and management. London: Sage Publications, 2006. p. 461- 474.

WHETTEN, David A.; RANDS, Gordon; GODFREY, Paul. What are the responsibilities of business to society? In: WHITTINGTON, R. (org.). What is

strategy ? and does it matter? London: Routledge, 1993. Chapters 1, 2, 5.

WHITTINGTON, Richard. O que é estratégia. São Paulo, SP: Thomson Learning, 2002.

Seminários:

DEGENHARDT, Victor W.; MAÑAS, Antonio V. O modelo de estratégia competitiva de Miles & Snow e a complexidade conforme Genelot. In:

S E M E A D , S e m i n á r i o s e m A d m i n i s t r a ç ã o F E A / U S P , 2 0 0 7 . D i s p o n í v e l e m :

. Úl t imo a c e s s o : 1 8 J u n . 2 0 1 0 .

Artigos:

ALEXANDER, Marcus; KORINE, Harry. When you shouldn´t go global. Harvard Business Review, v. 86, n. 12, Dec. 2008, p. 70-77.

ALLEN, Richard. O processo de criação da visão. HSM Management, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 18-22, jul./ago. 1998. Disponível em: <

http://www.perspectivas.com.br/estra1.htm >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

BACHARACH, Samuel B. Organizational theories: some criteria for evaluation. Academy of management review, v. 14, n. 4, p. 496-515, Oct. 1989.

Disponível em: < http://pcbfaculty.ou.edu/classfiles/MGT%206253%20Seminar%20in%20Org%20&%20Admin/Readings/Week02/Bacharach.pdf >.

Último acesso: 18 Jun. 2010.

BARNEY, Jay B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BARNEY, J. Is the resource-based "view" a useful perspective for strategic management research? Yes. Academy of Management Review, v. 26, n.

1, p. 41-56, Jan. 2001.

BERTERO, C.; VASCONCELOS, F.; BINDER, M. Estratégia empresarial: a produção científica brasileira entre 1991 e 2002. Revista de

Administração de Empresas, v. 43, n.4, p. 48-62, 2003.

BETTIS, Richard A. Strategic Management and the Straightjacket: An Editorial Essay. Organization Science, v. 2, n. 3, p. 315-319, Aug. 1991.

BONINI, Sheila. M. J.; MENDONCA, Lenny. T.; OPPENHEIM, Jeremy. M. When social issues become strategic. McKinsey Quarterly, n. 2, May. 2006.

CHAFFEE, E. E. Three Models of Strategy. Academy of Management Review, v. 10, n. 1, p. 89-98, 1985.

CLARK, Timothy. Strategy viewed from a management fashion perspective. European Management Journal, v. 1, n. 1, p. 105-111, 2004.

COLLINS, James C.; PORRAS, Jerry I. Building a visionary company. California Management Review, v. 37, n. 2, p. 80-100, 1995.

COLLIS, David J.; MONTGOMERY, Cynthia A. Competing on Resources: Strategy in the 1990s. Harvard Business Review, v. 73, n. 4, p.118-128,

Jul./Aug. 1995.

EISENHARDT, Kathleen M.; MARTIN, Jeffrey A. Dynamic Capabilities: What Are They? Strategic Management Journal, v. 21, n. 10/11, p. 1105-1121,

Oct./Nov. 2000. Special Issue: The Evolution of Firm Capabilities. Disponível em: < http://www3.interscience.wiley.com/cgibin/

fulltext/73504822/PDFSTART >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

GOSHAL, Sumantra. Bad Management Theories Are Destroying Good Management Practices. Academy of Management Learning & Education, v.4,

n.1, p.75-91, Mar. 2005.

HAFSI, Taïeb; MARTINET, Alain C. Estratégia e Gestão Estratégica das Empresas: Um olhar Histórico e Crítico. RAC - Revista de Administração

Contemporânea, v. 12, n. 4, p. 1131-1158, Out./Dez. 2008. Disponível em: < http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/html/840/84012411/84012411.html >.

Último acesso: 18 Jun. 2010.

HOSKISSON, Robert E. et al. Theory and research in strategic management: Swings of a pendulum. (Yearly Review of Management). Journal of

Management, v. 25, n. 3, p. 417-456. May./Jun., 1999.

JARZABKOWSKI, P.; BALOGUN, J.; SEIDL, D. Strategizing: the challenges of a practice perspective. Human Relations. v. 60, n. 1, p. 5-27, 2007.

JEMISON, David B. The Importance of an Integrative Approach To Strategic Management Research. Academy of Management Review, v. 6, n. 4, p.

601-608, 1981.

KNIGHTS, D.; MORGAN, G. Corporate Strategy, Organizations, and Subjectivity: A Critique. Organization Studies, v. 21, n. 2, p. 251-273, 1991.

LA PORTA, R.; LOPEZ-DE-SILANES, F.; SHLEIFER, A. Law and finance. Journal of Political Economy, v. 106, n.6, p.1113-1155, Dec. 1998.

LEONARD-BARTON, D. Core Capabilities and Core Rigidities: A Paradox in Managing New Product Development. Strategic Management Journal, v.

13, p. 111-125, 1992.

MAHONEY, J. T. Strategic Management and Determinism: Sustaining the Conversation. Journal of Management Studies, v. 30, n. 1, p. 173-191,

1993.

McGAHAN, A. M.; PORTER, M. E. How much does industry matter, really? Strategic Management Journal, v. 18, Summer Special Issue, p. 15-30,

1997.

MITCHELL, R., AGLE, B.; WOOD, D.. Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts.

Academy of Management Review, v. 22, n. 4. p. 853-886. oct. 1997.

PASCALE, Robert T. The Honda effect. California Management Review, Summer, Vol. 38, n. 4, p. 80-91, 1996.

PORTER, Michael E. The Five competitive forces that shape strategy. Harvard Business Review, v. 86, n. 1, p. 78-98,

Jan. 2008.

_______. What is strategy? Harvard Business Review, v. 74, n. 6, p. 61-78, Nov./Dec. 1996.

PRAHALAD, C. K.; HAMMOND, Allen. Serving the world?s poor, profitably. Harvard Business Review, v. 80, n. 9, p. 48 - 57, Sep. 2002.

ROXBURGH, Charles. Hidden flaws in strategy. The McKinsey Quarterly, n. 2, p. 26-39, 2003.

SHRIVASTAVA, P. Is Strategic Management Ideological? Journal of Management, v. 12, n. 3, p. 363-377, 1986.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic Capabilities and Strategic Management. Strategic Management Journal, v. 18, n.7, p. 509-533, 1997.

THOMAS, Howard; PRUETT, Mark. Introduction to the special issue: Perspectives On Theory Building In Strategic Management. Journal of

Management Studies, v. 30, n. 1, p. 3-10, 1993.

THOMSEN, Steen; PEDERSEN, Torben. Ownership structure and economic performance in the largest European companies. Strategic Management

Journal, v. 21, n. 6, p. 689-705, May. 2000.

TUSHMAN, Michael L.; O'REILLY III, Charles A. Ambidextrous organizations: Managing evolutionary and revolutionary change. California

Management Review, v. 38, n. 4, p. 8-30, Summer 1996.

WILSON, David C.; JARZABKOWSKI, Paula. Pensando e Agindo Estrategicamente: Novos Desafios para a Análise Estratégica. Revista de

Administração de Empresas, v. 44, n. 4, p. 11-20, Out./Dez. 2004. Disponível em: < http://www16.fgv.br/rae/redirect.cfm?ID=3562 >. Último acesso:

18 Jun. 2010.


FINANÇAS EMPRESARIAIS

Ementa:

Introdução às finanças: formas de organização das empresas, problemas de agency, mercado de capitais e a empresa. Conceitos básicos: demonstrativos financeiros e fluxo de caixa, valor do dinheiro no tempo, risco e retorno. Decisões investimento. Decisões de financiamento. Custo eestrutura de capital. Gestão de risco nas empresas.


Bibliografia

Livros:

ASSAF NETO, Alexandre. Mercado Financeiro. São Paulo, SP: Atlas, 2005.

BARBEDO, Claudio Henrique da S.; CAMILO-DA-SILVA, Eduardo. Finanças Comportamentais: Pessoas Inteligentes também perdem dinheiro na

Bolsa de Valores. Atlas, 2009.

BAZERMAN, Max H. Processo Decisório: Para cursos de Administração e Economia. São Paulo, SP: Campus, 2004. 248 p.

BERNSTEIN, Peter L. Desafio aos Deuses: a fascinante história do risco. São Paulo, SP: Campus, 1997. 390 p.

BESSADA, O., BARBEDO, C. e ARAÚJO, G. Mercado de Derivativos no Brasil: conceitos, operações e estratégias. Rio de Janeiro, RJ: Record,

2005.

BODIE, Z.; KANE, A.; MARCUS, A. Fundamentos de Investimentos. 3. ed., Porto Alegre: Bookman, 2000.

BREALEY, Robert A.; MYERS, Stewart C.; MARCUS, Alan. J. Fundamentos da Administração Financeira. São Paulo, SP: McGraw-Hill, 2002. 807 p.

CASTRO FILHO, Luciano Irineu de; FARO, José Heleno. Introdução à teoria da Escolha. Rio de Janeiro, RJ: IMPA, Col. 25º Colóquio Brasileiro de

Matemática, 2005.

CHARCHAT, Gerson. A triste estória das aberturas de capital no Brasil. In: LEAL, Ricardo P. C.; COSTA JR., Newton C. A. da; LEMGRUBER,

Eduardo F. (orgs.). Finanças corporativas. São Paulo, SP: Atlas, 2000. p. 141-157.

COPELAND, Thomas E.; WESTON, John F. Financial theory and corporate policy. 3. ed. Reading: Addison-Wesley Publishing Co., 1992.

COPELAND, Thomas E.; WESTON, J. Fred; SHASTRI, Kuldeep. Financial Theory and Corporate Policy. 4. ed. Upper Saddle River, New Jersey:

Pearson Education, 2005. 1024 p.

FILGUEIRA, Antônio; LEAL, Ricardo P. C. Análise de cláusulas de escrituras de debêntures brasileiras após a estabilização econômica. In: LEAL,

Ricardo P. C.; COSTA JR., Newton C. A. da; LEMGRUBER, Eduardo F. (orgs.). Finanças corporativas. São Paulo, SP: Atlas, 2000. p. 97-115.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 10. ed., São Paulo, SP: Addison Wesley, 2004. 745 p.

GOMES, Gabriel L.; LEAL, Ricardo P. C. Determinantes da estrutura de capitais das empresas brasileiras com ações negociadas em bolsas de

valores. In: LEAL, Ricardo P. C.; COSTA JR., Newton C. A. da; LEMGRUBER, Eduardo F. (orgs.). Finanças corporativas. São Paulo, SP: Atlas, 2000.

p. 42-57.

HUMMEL, Roberto V.; TASCHNER, Mauro Roberto B. Análise e decisão Sobre Investimentos e Financiamentos. 4. ed., São Paulo, SP: Atlas, 1995.

216 p.

JENKINSON, Tim; LJUNGQVIST, Alexander. Going Public: The Theory and Evidence on How Companies Raise Equity Finance. 2. ed. Oxford:

Oxford University Press, 2001.

LEAL, Ricardo P. C.; COSTA JR., Newton C. A. da; LEMGRUBER, Eduardo F. (orgs.). Finanças corporativas. São Paulo, SP: Atlas, 2000. 180 p.

PROCIANOY, Jairo L.; VEISMAN, Eduardo. Debêntures conversíveis em ações e o mercado de capitais brasileiro: revisão e novos questionamentos.

In: LEAL, Ricardo P. C.; COSTA JR., Newton C. A. da; LEMGRUBER, Eduardo F. (orgs.). Finanças corporativas. São Paulo, SP: Atlas, 2000. p. 42-

57.

ROCCA, Carlos A.; SILVA, Marcos E.; DE CARVALHO, A. Gledson. Sistema financeiro e a retomada do crescimento econômico. São Paulo:

FIPE/Bovespa. 1998.

ROSS, Stephen A.; WESTERFIELD, Randolph W.; JAFFE, Jeffrey F. Administração financeira: Corporate Finance. 2. ed., São Paulo, SP: Atlas,

2007. 776 p.

TALEB, Nassim N. A Lógica do Cisne negro: O impacto do altamente improvável. Rio de Janeiro, RJ: Best Seller, 2007. 462 p.

VALADARES, Sílvia M. Estrutura de controle e propriedade das empresas brasileiras. In BONOMO, Marco (Org.). Finanças Aplicadas ao Brasil. Rio

de Janeiro: FGV Editora, 2002. p. 275-298.

VALADARES, Sílvia M. Estimativa de valor de controle no Brasil. In: BONOMO, Marco (Org.). Finanças Aplicadas ao Brasil. Rio de Janeiro: FGV

Editora, 2002. p. 299-312.

Monografias, Dissertação, Teses:

CARVALHAL DA SILVA, A. L. A influência da estrutura de controle e propriedade no valor, estrutura de capital e política de dividendos das empresas

brasileiras. Tese (Doutorado em Administração), Instituto Coppead de Administração. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002.

PEROBELLI, Fernanda F. C.; FAMÁ, Rubens. Fatores determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto no Brasil.

Monografia. Faculdade de Economia e Administração. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2001.

POLI, Beatriz T. C. A resposta das empresas à modificação tributária brasileira em 1989: dividendos versus ganhos de capital. Dissertação (Mestrado

em Administração), Programa de Pós-Graduação em Administração, Escola de Administração. Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio

Grande do Sul, Porto Alegre, 1993.

VALADARES, Sílvia M. Três Ensaios sobre Mercado por Controle no Brasil. Tese de Doutorado, Departamento de Economia, Rio de Janeiro: PUC-Rio, 1998.

Paper:

CLAESSENS, Stijn; KLINGEBIEL, Daniela; LUBRANO, Mike. Corporate governance reform issues in the Brazilian equity markets. World Bank

w o r k i n g p a p e r , 2 0 0 1 . 5 5 p . D i s p o n í v e l e m : < h t t p : / / w w w -

wds.worldbank.org/external/default/WDSContentServer/WDSP/IB/2004/11/08/000090341_20041108082619/Rendered/PDF/270560Brazil0equity0mar

ket.pdf >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

DAMODARAN, Aswath. Es t imat ing r i s k parameter s . Wor ld Bank wor k ing paper , 1999. 31 p. Di sponí vel em: <

ht tp: / /pages . s tern.nyu.edu/~adamodar /pdf i les /paper s /beta.pdf >. Úl t imo aces so: 18 Jun. 2010.

DEMIRGÜÇ-KUNT, Asli; MAKSIMOVIC, Vojislav. Capital structure in developing countries: Evidence from ten country cases. World Bank working

p a p e r , 1 9 9 5 . 4 4 p . D i s p o n í v e l e m : < h t t p : / / w w w -

wds.worldbank.org/servlet/WDSContentServer/WDSP/IB/1994/07/01/000009265_3970716141152/Rendered/PDF/multi_page.pdf >. Último acesso: 18

Jun. 2010.

EVANS, John P.; EVANS, Robert T.; GENTRY, James A. The decision to repurchase shares: A cash flow story. Curtin University of Technology

Working Paper, 2001. 28 p. Disponível em: < http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=263022 >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

GLEN, Jack; PINTO, Brian. Debt or equity? How firms in developing countries choose. Washington: International Finance Corporation, Discussion

P a p e r 2 2 , 1 9 9 4 . D i s p o n í v e l e m : < h t t p : / / b o o k s . g o o g l e . c o m . b r / b o o k s ? i d = p e 7 -

RwHCrdUC&printsec=frontcover&dq=Debt+or+equity%3F+How+firms+in+developing+countries+choose&source=bl&ots=5hq4CHM7J9&sig=ueqQetX

k G h n O y X 4 W q 6 L z 0 j N c u Q Q & h l = p t -

BR&ei=J24jTOPEMNCMuAeX3fHXBw&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=2&ved=0CCEQ6AEwAQ#v=onepage&q&f=false >. Último acesso:

18 Jun. 2010.

LEAL, Ricardo P. C. A descriptive analysis of the capital structure of a broad sample of Brazilian firms. World Bank working paper, 2001.

NENOVA, T. Control values and changes in corporate law in Brazil. World Bank working paper, 2001. 55 p. Disponível em: <

http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=294064 >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

NOVIS NETO, Jorge; SAITO, Richard. Dividend Yield e Persistência dos Retornos Anormais: Evidência do Brasil. Working Paper, EAESP/Fundação

Getúlio Vargas, 2002.

RODRIGUES JR., Waldery; MELO, Giovani M. Padrão de financiamento das empresas privadas no Brasil. Texto para discussão nº 653. Rio de

Janeiro: IPEA, Documento de Trabalho n° 653, 1999. 40 p. Disponível em: < http://www.ipea.gov.br/pub/td/td_99/td_653.pdf >. Último acesso: 18 Jun.

2010.

TABAK, Benjamim M.; LIMA, Eduardo J. A. The effects of the Brazilian ADRs program on domestic market efficiency. Brasília: Banco Central,

Working Paper Series n. 43, 2002. 35 p. Disponível em: < http://www.bcb.gov.br/pec/wps/ingl/wps43.pdf >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

WELCH, Ivo. The equity premium consensus forecast revisited. Cowles Foundation Discussion Paper, n° 1325, 2001. 15 p. Disponível em: <

http://www-stat.wharton.upenn.edu/~steele/Courses/956/EquityPremium/Welch_2001_EquityPremiumConsensusForecastRevisited.pdf >. Último

acesso: 18 Jun. 2010.

Anais:

LEAL, Ricardo P. C. Using Accounting Information in Prospectuses to Proxy for the Ex Ante Uncertainty and to Predict the Aftermarket Returns of

IPOs. In: Annual Meeting of the Business Association of Latin American Studies, 1998. Anais?, Abril, 1998, p. 1-12.

_____. et al. Estrutura de controle e valor de mercado das empresas brasileiras. In: ENANPAD, 24º, 2000, Florianópolis. Anais..., Rio de Janeiro:

Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 2000. (CD-ROM).

MOREIRA, L. F.; PROCIANOY, Jairo L. Recompra de Ações na BOVESPA. Congresso ABAMEC, Anais... , 2000.

PEREIRA, Sônia B. C. Análise de relação entre valor e alavancagem no mercado brasileiro. In: ENANPAD, 24º, 2000, Florianópolis. Anais... Rio de

Janeiro: Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 2000. (CD-ROM).

PROCIANOY, Jairo L.; COMERLATO, G. Proposta de um método para verificação de evidências de transferência de lucro entre empresas similares

abertas de um mesmo grupo econômico. In: ENANPAD, 18º, 1994, Curitiba. Anais? Curitiba: ENANPAD, 2000, p. 249-264.

SAITO, Richard. Share Repurchase Rules and Expropriation of Minority Shareholders: Evidence from Brazil. In: ENANPAD, 25 º, 2001, Campinas,

SP. Anais? Rio de Janeiro: Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 2001. (CD-ROM).

______; SHENG, Hsia Hua; KOSHIO, Senichiro; DUTRA, Marcos Galileu. Embedded governance in corporate bond indentures: evidence from Brazil,

1998-2001. In: ENANPAD, 26 º, 2002, Salvador, BA. Anais? Rio de Janeiro: Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em

Administração, 2002. (CD-ROM).

SOARES, Karina T. C.; PROCIANOY, Jairo L. O perfil de endividamento das empresas negociadas na bolsa de valores de São Paulo após o Plano

Real. In: ENANPAD, 26 º, 2002, Salvador, BA. Anais? Rio de Janeiro: Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração,

2002. (CD-ROM).

SROUR, Gabriel. Práticas diferenciadas de governança corporativa: um estudo sobre a conduta e a performance das firmas brasileiras. In: Encontro

Brasileiro de Finanças, 2°, 2002, Rio de Janeiro, Anais... 2002. (CD-ROM).

TERRA, Paulo R. S. An empirical investigation on the determinants of capital structure in Latin America. In: ENANPAD, 26º, 2002, Salvador, BA.

Anais? Rio de Janeiro: Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 2002. (CD-ROM).

Artigos:

AGGARWAL, Reena; LEAL, Ricardo P. C.; HERNÁNDEZ, Leonardo. The aftermarket performance of initial public offerings in Latin America. Financial

Management, v. 22, n. 1, p. 42-53, Spring, 1993.

ANDERSON, Christopher W. Financial contracting under extreme uncertainty: an analysis of Brazilian corporate debentures. Journal of Financial

Economics, v. 51, n.1, p. 45-84, Jan. 1999.

BHAGAT, Sanjay; BLACK, Bernard S. The non-correlation between board independence and long term-firm performance. Journal of Corporation Law,

v. 27, p. 231-274, 2002.

BORGES, Luiz F. X.; LOPES, Lilia Maria P. M. B. Os valores mobiliários e a captação de empréstimos no mercado financeiro doméstico. Revista do

BNDES, v. 8, n. 15, p. 289-308, 2001.

CARVALHO, Antônio G. de. Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração da Universidade de São Paulo (RAUSP), v.

37, n. 3, p. 19-32, jul./ago./set. 2002.

CHEN, Hsuan-Chi; RITTER, Jay. The seven percent solution. Journal of Finance, v. 55, n. 3, p. 1105-31, 2000.

DA COSTA JR., Newton C. A.; LEAL, Ricardo P. C.; LEMME, Celso F.; LAMBRANHO, Paloma P. L. O impacto da dupla negociação: Um estudo de

eventos de ADRS brasileiros. Revista de Administração da USP, v. 33, n. 4, p. 65-71, Out./Dez. 1998.

DUTRA, Marcos G. L.; SAITO, Richard. Conselhos de Administração: análise de sua composição em um conjunto de companhias abertas brasileiras.51-59, 1996.

FENSTERSEIFER, Jaime E.; SAUL, Nestor. Investimentos de capital nas grandes empresas. Revista de Administração, v. 28, n. 3, p. 3-12, jul./set.

1993.

GARCIA, René; BONOMO, Marco. Tests of conditional asset pricing models in the Brazilian stock market. Journal of International Money and

Finance, v. 20, n. 1, p. 71-90, Feb. 2001.

GRAY, Wayne; HARFORD, Jarrad. The cash-flow permanence and information content of dividend increases versus repurchases. Journal of

Financial Economics, v. 57, n. 3, p. 385-415, 2000.

JAGANNATHAN, Murali; STEPHENS, Clifford P.; WEISBACH, Michael S. Financial flexibility and the choice between dividends and stock

repurchases. Journal of Financial Economics, v. 57, n. 3, p. 355-384, 2000.

KAYO, Eduardo K.; FAMÁ, Rubens. Teoria de agência e crescimento: Evidências empíricas dos efeitos positivos e negativos do endividamento.

Cadernos de Pesquisa em Administração, v. 2, n. 5, p. 1-8, 1997.

LEAL, Ricardo P. C.; SAITO, Richard. Finanças corporativas no Brasil. RAE-eletrônica, v. 2, n. 2, jul.- dez. 2003. Disponível em: <

http://www16.fgv.br/rae/redirect.cfm?ID=1469 >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

_____; BOCATER, Paulo F. Métodos de acesso a ofertas públicas de ações em mercados internacionais. Revista Brasileira de Mercado de Capitais,

v. 17, n. 45, p. 7-24, Jul./Dez. 1992.

_____. Três desafios para abrir o capital. Revista da CVM, n. 32, p. 56-61, set. 2000.

_____; CARVALHAL DA SILVA, André L.; VALADARES, Sílvia M. Estrutura de Controle e Propriedade das Companhias Brasileiras de Capital

Aberto. Revista de Administração Contemporânea, v. 6, n. 1, p. 7-18, 2002.

LEE, Inmoo; et al. The costs of raising capital. Journal of Financial Research, v. 19, n. 1, p. 59-74, 1996.

MOREIRA, Maurício M.; PUGA, Fernando P. Como a indústria financia o seu crescimento: Uma análise do Brasil pós-real. Revista de Economia

C o n t e m p o r â n e a , v . 5 , p . 3 5 - 6 7 , O u t . 2 0 0 1 . D i s p o n í v e l e m :

<http://www.ie.ufrj.br/revista/pdfs/como_a_industria_financia_o_seu_crescimento_%20uma_analise_do_brasil_pos_real.pdf >. Último acesso: 18 Jun.

2010.

NESS JR., Walter L.; PEREIRA, Reginaldo F. Mercado primário de ações no Brasil, Mimeo, Rio de Janeiro, IBMEC, 1980.

PROCIANOY, Jairo L.; POLI, Beatriz T. C. A política de dividendos como geradora de economia fiscal e do desenvolvimento do mercado de capitais:

uma proposta criativa. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.33, n.4, p. 6-15, jul./ago. 1993.

____________. Dividendos e tributação: o que aconteceu após 1988 - 1989. Revista de Administração, São Paulo, v.31, n.2, p. 7-18, abr./jun.

1996.

____________; CASELANI, César N. Emissão de ações como fonte de crescimento ou como fonte de redução do risco financeiro: resultados

empíricos. Revista de Administração, v.32, n. 3, p. 70-81, 1997.

____________. O processo sucessório e a abertura de capital nas empresas brasileiras: objetivos conflitantes. Revista de Administração de

Empresas, v. 34, n. 4, p. 74-84, 1994.

RODRIGUES, Euchério L.; RAMOS, Patricia B.; BARBOSA, Andreza P. Maior Visibilidade ou integração do mercado de capitais brasileiro? Os

efeitos da listagem de ações de empresas brasileiras no mercado norte-americano através do mecanismo de recibos de depósitos de ações. Revista

Eletrônica de Administração, v. 5, n. 1, Abr. 1999.

SAITO, Richard. Determinants of the differential pricing between voting and non-voting shares in Brazil. Brazilian Review of Econometrics, Rio de

Janeiro, v. 23, n. 1, p. 77-109, May. 2003. Disponível em: < http://virtualbib.fgv.br/ojs/index.php/bre/article/view/2732/1672 >. Último acesso: 18 Jun.

2010.

SANVICENTE, Antonio Z. Evolução recente do mercado primário de debêntures. Revista da CVM, p. 63-70, dez. 2001.

SCHOR, Adriana; BONOMO, Marco Antonio C.; PEREIRA, Pedro Luiz Valls. Arbitrage Pricing Theory (APT) e Variáveis Macroeconômicas: Um

Estudo Empírico Sobre o Mercado Acionário Brasileiro. Revista de Economia e Administração, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 38-63, 2002.

SIFFERT FILHO, Nelson Governança corporativa: Padrões Internacionais e evidências empíricas no Brasil nos anos 90. Revista do BNDES, Rio de

Janeiro, n. 9, Jun. 1998. Disponível em: < http://www.ppge.ufrgs.br/giacomo/arquivos/gov-corp/siffertfilho-1998.pdf >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

SIQUEIRA, Tagore V. de. Concentração da propriedade nas empresas brasileiras de capital aberto. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, n. 10, Dez.

1998.

VALADARES, Sílvia M; LEAL, Ricardo P. C. Ownership and control structure of Brazilian companies. Revista ABANTE, v. 3, n. 1, p. 29-56, oct./abr.

2000. Disponível em: < http://www.abante.cl/files/ABT/Contenidos/Vol-3-N1/2%20Valadares.pdf >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

VIEIRA, Kelmara. M.; PROCIANOY, Jairo L.. Investidores reagem a splits e bonificações. Revista da Abamec, São Paulo, v. 9, n.81, p.14-17, 2000.


ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING

Ementa:

Definições de marketing. Satisfação e valor para o cliente. Sistema de informação de marketing. Análise do ambiente de marketing. Comportamentodo consumidor. Segmentação, diferenciação e posicionamento. Introdução ao planejamento de marketing. Análise detalhada do marketing mix: produto, preço, ponto e promoção e o seu papel na estratégia de marketing das organizações.


Bibliografia

BAKER, Michael J. Administração de Marketing. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2005. 640 p.

CHURCHILL, Gilbert Jr.; PETER, Paul J. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo, SP: Saraiva, 2003. 626 p.

FERRELL, O. C.; HARTLINE, Michael D. Estratégia de marketing. São Paulo, SP: Cengage Learning, 2005. 704 p.


GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA

Ementa:

Aspectos introdutórios da disciplina. O conceito de logística: da visão tradicional à visão moderna. O papel da logística nas empresas. Logística integrada e cadeia total de suprimento. Seleção de indicadores-chave. Teoria das filhas. O conceito de custo total mínimo. Interface logística emarketing. Canais de distribuição. Nível de serviço. Aspectos financeiros relacionados a estoques. Implicações na imobilização de capital de giro dasempresas. Modelos de decisão no gerenciamento de estoques. Análise ABC. Previsão de demanda. Análise da demanda por transporte. Otimizaçãode sistemas de transporte. Seleção de veículos. Roteirização e programação de viagens. Medidas de desempenho e produtividade. Simulação decenários em logística.


Bibliografia

BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. 4. ed. Porto Alegre: Bookman,

2001.

________. Logística Empresarial. São Paulo, SP: 1993. 388 p.

BOWERSOX Donald J.; CLOSS, David J. Logística Empresarial: O Processo de Integração da Cadeia de Suprimento. São Paulo, SP: Atlas, 2001.

594 p.

CORONADO, Osmar. Logística Integrada: Modelo de Gestão. São Paulo, SP: Atlas, 2007. 217 p.

DIAS, Marco Aurélio P. Administração de Materiais: uma abordagem logística. São Paulo, SP: Atlas, 2006.

FLEURY, Paulo Fernando; WANKE, Peter; FIGUEIREDO, Kleber F. Logística Empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo, SP: Atlas, 2000.

HONG, Yuh C. Gestão de Estoques na Cadeia de Logística Integrada: Supply Chain. São Paulo, SP: Atlas, 2001.

LEITE, Paulo Roberto. Logística Reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Ed. Pearson, 2005.

LOPES, Alexandre S.; SOUZA, Eustaquio R.; MORAES, Marcio L. de. Gestão Estratégica de Recursos Materiais: Um enfoque prático. Rio de

Janeiro, RJ: Ed. Fundo de Cultura, 2006.

MARTINS, Petrônio G.; ALT, Paulo Renato C. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. São Paulo, SP: Ed. Saraiva, 2006.

_________; LAUGENI, Fernando P. Administração da Produção. São Paulo, SP: Ed. Saraiva, 2006.

NOVAES, Antônio G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição: estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro, RJ: Campus, 2001.

POZO, Hamilton. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais. São Paulo, SP: Atlas, 2004.

REID, R. D.; SANDERS, N. R. Gestão de Operações. Rio de Janeiro: Ed. LTC, 2005.

SLACK, Nigel; JOHNSTON, Robert; CHAMBERS, Stuart. Administração da Produção. 2. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2002. 747 p.

TAYLOR, David A. Logística na Cadeia de Suprimentos: uma perspectiva gerencial. 1. ed. São Paulo, SP: Ed. Pearson, 2005. 368 p.


Disciplinas Optativas

GESTÃO DE PESSOAS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

Ementa:

Evolução histórica da área de Recursos Humanos; principais fundamentos do planejamento e manutenção de RH; fundamentos de valorização eretenção de pessoas nas organizações modernas; análise crítica das ferramentas e práticas de RH; dilemas do binômio trabalho e vida pessoal, taiscomo utilização das tecnologias de informação e comunicação na gestão de pessoas.


Bibliografia

BALASSIANO, M., COSTA, I. de S., A. (Orgs). Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006;

BARBOSA, A. C. Q. Utopia com os pés no chão? A gestão de competências pela perspectiva social ? experiências setoriais no Brasil. Escola de

Administração da Universidade Federal da Bahia, Revista Organização & Sociedade, vol. 14, n.43, outubro ? dezembro 2007, pág. 57-70;

BITENCOURT, C. Gestão Contemporânea de Pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: ArtMed/Bokman, 2004;

DAVEL, E., VERGARA, S. (Orgs). Gestão com pessoas e subjetividade. São Paulo: Atlas, 2001;

DAVEL, E., VASCONCELOS, João (Orgs). ?Recursos? Humanos e Subjetividade. Petrópolis: Vozes, 1997;

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999;

__________. Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. RAE ? Revista de Administração de Empresas, v. 41, n.2,

2001, p.08-19;

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2007;

KILIMNIK, Z. M., LUZ, T. R. e SANT?ANNA, A. de S. Competências Profissionais e Modernidade Organizacional: Coerência Ou Contradição? RAE ?

Revista de Administração e Empresas. São Paulo: FGV, Volume 44 - EDIÇÃO ESPECIAL - novembro-dezembro 2004, pág.10-21;

LUCENA, Maria Diva de Salete. Planejamento de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, 1995;

PAGÈS, M. et alli (Orgs.). O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 2008;

PAULA, A. P. P. Guerreiro Ramos: resgatando o pensamento de um sociólogo crítico das organizações. Escola de Administração da Universidade

Federal da Bahia, Revista Organização & Sociedade, vol. 14, n. 40, janeiro-março de 2007;

SARAIVA, L. A. S., IRIGARAY, H. A. Política de diversidade nas organizações: uma questão de discurso? São Paulo: RAE ? Revista de

Administração de Empresas, jul ? set- 2009, pág. 337-348;

TRAGTENBERG, M. Burocracia e ideologia. São Paulo: Editora UNESP, 2006;

VROOM, Victor H. Gestão de Pessoas, não de Pessoal. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.


GESTÃO DE INVESTIMENTOS

Ementa:

História do mercado de capitais e da teoria moderna de finanças. Estrutura das bolsas de valores e do mercado de capitais brasileiro. Teoria do riscoe retorno de Markowitz. O modelo básico de formação de preços de ativos. As hipóteses de mercado eficiente. O modelo de precificação de ativos decapital (CAPM) e o modelo de formação de preços por arbitragem (APT). Avaliação de ativos. Custo de capital próprio e custo médio ponderado decapitais.


Bibliografia

Livros:

BERNSTEIN, P. L.; DAMODARAN, A. Administração de Investimentos. 1. ed. Porto Alegre: Bookman, 2000.

CNBV. Mercado de Capitais. Rio de Janeiro: Campus, 5. ed., 2001.

COSTA JR.; N.; LEAL, R. P. C.; LEMGRUBER, E. F. Mercado de Capitais: Análise Empírica no Brasil. 1. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2000. 220 p.

EID JR., W. Guia Folha Finanças. São Paulo: Publifolha, 2001.

ELTON, Edwin J. et al. Moderna Teoria de Carteiras e Análise de Investimentos. 1. ed. São Paulo, SP: Editora Atlas, 2004. 610 p.

FRANKENBERG, L. Seu Futuro Financeiro: Como Planejar suas Finanças Pessoais para Toda a Vida. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

GRADILONE, Claudio. Investindo sem Susto: Como lucrar na crise. 1. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999. 136 p.

MELLAGI FILHO, Armando; ISHIKAWA, Sérgio. Mercado Financeiro e de Capitais. São Paulo, SP: Atlas, 1998.

SANDRONI, Paulo H. Dicionário de Administração e Finanças. Rio de Janeiro, RJ: Editora Best Seller, 1996.

Monografias, Dissertações, Teses:

ARGOLO, E. Implementação Prática do Modelo de Fama e French para o Cálculo de Custo de Capital Acionário no Brasil. Dissertação de Mestrado,

Instituto Coppead de Administração. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.

Paper:

BURMEISTER, Edwin; ROLL, Richard; ROSS, Stephen A. Using Macroeconomic factors to Control Portfolio Risk. BIRR Working Paper, 2003. 27 p.

Disponível em: < http://www.birr.com/Using_Macroeconomic_Factors.pdf >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

KOUDIJS, Peter. The boats that did not sail: Evidence on the sources of asset price volatility from an 18th century natural experiment. Universitat

Pompeu Fabra, Facul t y of Economi c and Bus ines s Sc iences . Wor k ing Paper , 2009. 30 p. Di sponí vel em: <

http://www2.let.uu.nl/solis/ogc/esgseminars/papers%20spring%202008/paper%20Koudijs.pdf >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

WELCH, Ivo. A Different Way to Estimate the Equity Premium (for CAPM and One-Factor Model Only). Brown University Working paper, 2007. 11 p.

Disponível em: < http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1077876 >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

_______. The Top Achievements, Challenges, and Failures of Finance. Yale ICF working paper, 2001. Disponível em: <

http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=291987>. Último acesso: 18 Jun. 2010.

Anais:

LEAL, Ricardo P. C.; DAS NEVES, Myrian Beatriz E. Existe Relação entre o Crescimento do PIB Brasileiro e os Efeitos Tamanho, Valor e Momento?

In: ENANPAD, 27º, 2003, Atibaia, SP. Anais... Rio de Janeiro: Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 2003. p.209. (CD-ROM).

Artigos:

CHEN, N., ROLL, R., ROSS, S. Economics Forces and the Stock Market. Journal of Business, v. 59, n. 3, p. 383-403, 1986.

FAMA, E. F. The behavior of stock market prices. Journal of Business, v. 38, p. 34-105, 1965.

______. Efficient capital markets: A review of theory and empirical work. Journal of Finance, v.25 , n. 2 , p.383-417, May. 1970.

______; FRENCH, K. The capital asset pricing model: theory and evidence. Journal of Economic Perspectives, v. 18, n. 3, p. 25-46, 2004.

______; FRENCH, K. R. The cross-section of expected stock returns. Journal of Finance, v. 47, n. 2, p. 427-465, Jun. 1992.

______; MACBETH, J. D. Risk, return and equilibrium: empirical testes. Journal of Political Economy, v. 81, n. 3, p. 607-636, 1973.

GARCIA, R.; BONOMO, M. Tests of conditional asset pricing models in the Brazilian stock market. Journal of International Money and Finance, v. 20,

n. 1, p. 71-90, 2001.

LEAL, Ricardo P. C. Uma ilustração da implementação do APT para carteiras de Ações de Valor e de Crescimento Brasileiras, Revista Eletrônica de

Administração, Porto Alegre, v. 10, n. 4, 2004.

MARKOWITZ, H. Portfolio Selection. The Journal of Finance, v. 7, n. 1, p.77-91, 1952.

SHARPE,W. Capital asset prices: a theory of market equilibrium under conditions of risk. Journal of Finance, v. 19, n. 3, p. 425-442, 1964.

SCHOR, Adriana ; BONOMO, Marco Antonio ; PEREIRA, Pedro Luiz Valls . Arbitrage Pricing Theory (APT) e Variáveis Macroeconômicas: Um

Estudo Empírico Sobre o Mercado Acionário Brasileiro. Revista de economia e administração, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 38-63, 2002.

TORRES, R.; BONOMO, M.; FERNANDES, C. A aleatoriedade do passeio na Bovespa: testando a eficiência do mercado acionário brasileiro. Revista

Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v.56, n.2, p.199-247, abr./jun. 2002.


SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO

Ementa:

Teoria dos Sistemas. Visão histórica: da Biologia à Cibernética até as Ciências Sociais. Analogias, representação, modelagem. Os sistemas comoferramenta para a compreensão da complexidade do entorno social. Tipos de Sistemas na Administração: Sistemas de Informação, Sistemas Logísticos, Sistemas de Controle e Avaliação, Sistemas de Decisão ?Inteligentes? e etc. O papel estratégico desses tipos de sistemas nas empresas.Estratégias empresariais para obtenção de vantagem competitiva em diferentes sistemas de organização: novos modelos de negócios. Aplicações organizacionais, sistemas de inovação, planejamento diferentes tipos de sistemas, reestruturação de processos e empresas (empresas em rede,empresas virtuais), gestão do conhecimento, sistemas de apoio à decisão e sistemas inteligentes. Questões relacionadas à ética.

Bibliografia

AGUIAR, Maria Aparecida Ferreira. Psicologia aplicada à Administração: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Editora Saraiva, 2005.

ALBERTIN, Albertin Luiz. Comércio Eletrônico: modelo aspectos e contribuições de sua aplicação. Colaboração de Rosa Maria de Moura. 5ª ed.. São

Paulo: Atlas, 2004.

ALBERTIN, Albertin Luiz; ALBERTIN, Rosa Maria de Moura. Tecnologia da Informação: desafios da tecnologia da informação aplicada aos negócios.

São Paulo: Editora Atlas, 2005.

ALEKSANDER, I. (1996). Impossible Minds: My Neurons My Consciousness. Imperial College Press.

ALEKSANDER, I. e MORTON, H. (1995). An Introduction to Neural Computing. 2nd Edition. International Thomson Computer Press. London.

AMARAL, Fernanda Cristina Naliato. Datamining. Editora Berkley, 2001.

ANDRADE, Aurélio, L, SELEME, Acyr, RODRIGUES, Luis H., SOUTO, Rodrigo. Pensamento Sistêmico ? Caderno de Campo: o desafio da mudança

sustentada nas organizações e na sociedade. POA: Bookman, 2006.

BAZERMAN, Max H. Processo decisório: para cursos de administração e economia ; tradução Arlete Simille Marques. 5 .ed. Rio de Janeiro: Elsevier,

2004. ISBN: 85-352-1332-5.

7. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

BOURDIEU, Pierre. Sociologia/Organizador [da Coletânea] Renato Ortiz; tradução [tradução de Paula Montero e Alicia Auzmendi]. São Paulo: Ática;

1983.

CLEGG, Stewart R.; HARDY, Cynthia; NORD, Walter R. Handbook de Estudos Organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos

organizacionais. Volume 1, São Paulo: Atlas, 1999.

FETZER, James H. Filosofia e Ciência Cognitiva; tradução Cleide Rapucci. Bauru. São Paulo: EDUSC, 2000. ISBN: 85-7460-085-7.

GINZBURG, Carlo. Olhos de Madeira: nove reflexões sobre a distância; tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ISBN: 85-359-01-53-1.

GOLDSCHMIDT, Ronaldo; PASSOS, Emmanuel. Data Mining: um guia prático. Elsevier-Campus, 2006.

GOMES, Luiz Flávio Autran Monteiro et al. Tomada de Decisão Gerencial: enfoque multicritério. São Paulo: Atlas, 2002. ISBN: 85-224-3113-2.

JOHNSON-LAIRD, P.N. (2001) Mental models and deduction. Trends in Cognitive Science, 5, 434-442.

JOHNSON-LAIRD, P.N., Legrenzi, P., Girotto, P., and Legrenzi, M.S. (2000) Illusions in reasoning about consistency. Science, 288, 531-532.

KNAUFF, M., and Johnson-Laird, P.N. (2002) Imagery can impede inference. Memory & Cognition, 30, pp. 363-371.

LAKOFF, George e Johnson, Mark. Metaphors We Live By. University of Chicago Press. 1980.

LAKOFF, George e Núñez, Rafael. Where Mathematics Comes From: How the Embodied Mind Brings Mathematics into Being. Basic Books. 2000.

LAKOFF, George. Philosophy In The Flesh. Basic Books, 1999.

LAKOFF, George. Women, Fire, and Dangerous Things. University of Chicago Press. 1987.

MOTTA, Paulo Roberto; PIMENTA, Roberto; TAVARES, Elaine. Novas Idéias em Administração. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2006.

MOURIN, Edgar. Ciência com Consciência; tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dora. Edição: revista e modificada pelo autor ? 3ª

edição ? Rio de Janeiro: Bertrand, Brasil, 1999. ISBN:85-286-0579-5.

O´BRIEN, James A. Management Information Systems: managing information technology in the e-business enterprise ; 5th edition, 2002.

PEREIRA, Maria José Lara de Bretas e Marques, João Gabriel. Faces da Decisão: as mudanças de paradigmas e o poder da decisão. São Paulo:

Makron Books, 1977. ISBN: 85-346-0701-X.

PEREIRA, Maria José Lara de Bretas e Marques, João Gabriel. Faces da Decisão: as mudanças de paradigmas e o poder da decisão. São Paulo:

Makron Books, 1977. ISBN: 85-346-0701-X.

PIAGET, Jean. Seis Estudos de Psicologia; tradução Maria Alice D´amorin e Paulo Lima Silva. 24ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

2002. ISBN: 85-218-0246-3.

PIDD, Michael. Modelagem Empresarial: ferramentas para a tomada de decisão; tradução Gustavo Severo de Borba et al. Porto Alegre: Arte

Médicas, 1998. ISBN: 85-7307-352-7.

POZO, Juan Ignazio. Aprendizes e Mestres. 1ªed. POA: Artemed Editora, 2002.

POZO, Juan Ignazio. Teorias cognitivas da aprendizagem; tradução Juan Acuña Llorens. 3ª edição. Porto Alegre: Artes Médica, 1998. ISBN:985-7307

-344-6.

SIMON, Hebert, Economics, Bounded Rationality and the Cognitive Revolution / Herbert Simon et al. Edited by Massimo Egidi and Robin Marris.

Brookfield, VT : E. Elgar Pub. Co., 1992.

SIMON, Herbert. The Sciences of the artificial. Cambridge, Mass. MIT Press, 1996. 3rd Edition.

VIEIRA, Marcelo Milano Falcão; OLIVEIRA, Lúcia Maria Barbosa de. Administração Contemporânea: perspectivas estratégicas. São Paulo: Editora

Atlas, 1999.


GESTÃO SÓCIO-AMBIENTAL

Ementa:

Aspectos introdutórios da disciplina. Desenvolvimento sustentável. Noções de impactos ambientais e Avaliação de impactos ambientais. Economia deMeio Ambiente. Economia do Aquecimento global. Legislação ambiental ordinária. Licenciamento ambiental. Sistema de Gestão Ambiental. Análisede Riscos Ambientais. Políticas Ambientais. Políticas de inclusão social. Industrialização, desenvolvimento tecnológico e meio ambiente.Sustentabilidade ambiental empresarial. Valoração econômica ambiental. Economia dos recursos naturais. Padrões de consumo de energia. OPrincípio Poluidor-Pagador. Sustentabilidade socioambiental. Responsabilidade Social, Responsabilidade Ambiental e Ética nos Negócios.


Bibliografia

Artigos da EnANPAD

ARTAXO, P. E.; Mudanças Climáticas Globais: Conceitos e Implicações, 2008, Seção Ciência do Clima, disponível em:

http://www.mudancasclimaticas.andi.org.br/node/660, consultado em: julho de 2009.

BEN ? BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL; Relatório consolidado de 2009, Ministério das Minas e Energia, 2010.

DOMINGOS, S.; Biocarvão é opção para seqüestro de carbono, Carbono Brasil, disponível em: http://www.rts.org.br/noticias/destaque-2/biocarvao-eopcao-

para-sequestro-de-carbono; consultado em: julho de 2009c.

DOMINGOS, S.; Etanol, Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/; consultado em: julho de 2009a.

DOMINGOS, S.; Geotérmica, Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/; consultado em: julho de 2009b.

FEAM - Fundação Estadual do Meio Ambiente, Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Estado de Minas Gerais / Fundação Estadual

do Meio Ambiente; Centro Clima, Belo Horizonte, MG, 2008.

IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change Greenhouse, Gas Inventory Reference Manual, chapter 6, 1996.

IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change; Global Climate Change: The 1995 Report by Intergovernmental Panel on Climate Change, 1995.

LEITE, P. R.; Logística Reversa: meio ambiente e competitividade, Ed. Pearson, 2005.

LUSTOSA, M. C.; Economia do Meio Ambiente, Ed. Campus, 2003.

MCT - MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA (Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social), MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

(Secretaria de Educação Básica); Mudanças Climáticas: Ensino Fundamental e Médio (Coleção Explorando o Ensino), Brasília, DF, 2008.

MÜLLER, F. B., Biomassa, Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/; consultado em: julho de 2009a.

MÜLLER, F. B., Hídrica, Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/; consultado em: julho de 2009b.

MURTA, A. L. S; ANÁLISE DA VIABILIDADE DE AUTOPRODUÇÃO DE BIODIESELPOR FROTISTAS: O CASO DA VALE; Capítulo 4; Tese de

Doutorado defendida em 2008 pelo Programa de Engenharia de Transportes da COPPE/Universidade Federal do Rio de Janeiro ? UFRJ; Rio de

Janeiro, RJ.

NEVES, C, M. N.; SILVA, M. L. N.; CURI, N.; MACEDO, R. L. G.; TOKURA, A. M.; Estoque de Carbono em Sistemas Agrossilvopastoris, Pastagem e

Eucalipto sob Cultivo Convencional na Região Noroeste do Estado de Minas Gerais, Artigo Científico apresentado na XIV Reunião Brasileira de

Manejo e Conservação do Solo e da Água, julho de 2002, Cuiabá, MT.

PARKER, C., MITCHELL, A., TRIVEDI, M., MARDAS, N. The Little REDD+ Book (2009)

PINTO, E. P.P.; MOUTINHO, P.; RODRIGUES, L; Perguntas e Respostas Sobre Aquecimento Global, Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia

? IPAM, Belém, PA, 2008.

ROMERO, T.; Hidrogênio, Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/; consultado em: julho de 2009.

SCHEIDT, P.; Eólica, Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/; consultado em: julho de 2009b.

SCHEIDT, P.; EUA querem cooperação em energia limpa com a China (14/07/2009), Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/;

consultado em: julho de 2009a.

SCHEIDT, P.; Nuclear, Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/; consultado em: julho de 2009c.

SCHEIDT, P.; Solar, Carbono Brasil, disponível em: http://www.carbonobrasil.com/; consultado em: julho de 2009d.


NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

Ementa:

Os seguintes tópicos compõem o curso: conceitos de negócios internacionais. Relações internacionais. Questões culturais. Questões sobre gerenciar recursos humanos globalmente. Ética internacional. Estratégias de entrada. O ambiente de marketing internacional. Sistema de Informações epesquisa de marketing no contexto internacional. Estratégias de marketing internacional. Decisões do marketing mix em mercados internacionais.Implementação e acompanhamento da ação de marketing global.


Bibliografia

GUEDES, Ana Lucia. Negócios Internacionais. Thomson Learning

CAVUSGIL, S. Tamer, Knight, Gary e Riesenberger, John R.. Negócios internacionais: estratégia, gestão e novas realidades. Pearson Education,

Prentice Hall

KEEGAN, Warren J. Marketing Global. São Paulo: Pearson, 2005.

NOSÉ Jr., Amadeu. Marketing Internacional. São Paulo: Thomson, 2005.


TÓPICOS ESPECIAIS EM ADMINISTRAÇÃO

Ementa:

A ementa dessa disciplina é dinãmica no sentido em que objetivo da disciplina é permitir que docentes experimentem novos desenhos de disciplinas inovadoras, fazendo com que a grade curricular possa ser modificada, atualizada e expandida. Essa disciplina também permitirá que os dicentesentrem em contato com aspectos específicos dos projetos de pesquisa existentes no PPGA e liderados pelos seus docentes.

Bibliografia

A ementa será composta de livros, trabalhos em Anais e artigos de revistas acadêmicas.


Linha de Pesquisa: Estado, Organizações e Sociedade


Disciplinas Obrigatórias da Linha

PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO

Ementa:

Objetiva-se pensar as perspectivas clássicas de interpretação do Brasil. Os processos de constituição, institucionalização e consolidação dopensamento social brasileiro. Discussão dos autores fundadores do pensamento social brasileiro. Os dilemas, desafios e disputas sobre aconstituição do pensamento social brasileiro.


Bibliografia

BONFIM, M. A América Latina: males de origem. Rio de Janeiro: Topbooks, 1993.

BOSCHI, Renato (Org.). Corporativismo e Desigualdade. A construção do espaço público no Brasil. Rio de Janeiro: Rio Fundo; IUPERJ, 1991.

CARDOSO, F. H. & Faletto, E. Dependência e Desenvolvimento na América Latina. Rio de Janeiro: LTC, 1970.

CASTRO FARIA, L. Antropologia espetáculo e excelência. São Paulo:Tempo brasileiro, 1993

CUNHA, E. Os sertões: Campanha de Canudos. São Paulo: Ática, 1998.

FAORO, R. Os Donos do Poder: origens do patronato brasileiro. Rio de Janeiro: Globo, 2001.

FERNANDES, F. Ciência e Sociedade na Evolução do Brasil. In: A Sociologia no Brasil.

FERNANDES, Florestan. A Revolução Burguesa no Brasil, Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

FREYRE, G. Casa Grande e Senzala. Formação da Família Brasileira sob o Regime de Economia Patriarcal Rio de Janeiro: Record, 1998..

FURTADO, C. Análise do ?modelo? brasileiro. Civilização brasileiro, Rio de Janeiro: 1973.

FURTADO, Celso. O capitalismo global. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

GUIMARÃES, A. P. Quatro séculos de latifúndio. São Paulo: ed. Paz e Terra, 1964

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IANNI, Octávio. "A crise de paradigmas na Sociologia". Revista Brasileira de Ciências Sociais , v. 5, n.13, 1998, pp. 90-100.

IANNI, Octávio. "As Ciências Sociais na época da globalização". Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 13, n. 37, 1998, pp. 33-41.

IANNI, OCTAVIO. Pensamento Social no Brasil. São Paulo: EDUSC, 2004.

LEAL V. N. Coronelismo, Enxada e Voto: O Município e o Regime Representativo no Brasil. São Paulo, Editora Alfa Omega, 1976.

MARTINS, J. S. O Poder do Atraso: ensaios da sociologia da história lenta. Hucitec, São Paulo: 1994.

NUNES, Edson. A Gramática Política do Brasil. Clientelismo e insulamento burocrático. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.; Brasilia: ENAP, 1997.

PRADO JR., C. A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1972.

PRADO JÚNIOR, C. Evolução política do Brasil : ensaio de interpretação dialética da historia brasileira . 2. ed. - São Paulo, Brasiliense, 1947

PRADO JUNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo, Edit. Brasiliense, 1979,

PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1998

RAMOS, Alberto Guerreiro. A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro/RJ: FGV, 1981, p. XVXVII;

Cap. 1, 2 e 6.

RAMOS, Alberto Guerreiro. A redução sociológica. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1965.

SANTOS,W. G. Paradoxos do liberalismo ? Teoria e História. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

SOUZA, Jessé A Modernização Seletiva: uma reinterpretação do dilema brasileiro. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000..

TORRES, A. A formação brasileira e o desenvolvimento da economia nacional. Cultura política, Rio de Janeiro: 1941.

TRAGTENBERG, Maurício. Sobre educação, política e sindicalismo. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

VIANNA, Luiz Werneck. A Revolução Passiva. Iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1992.

VIANNA, O. Instituições políticas brasileiras, v2. São Paulo: Itatiaia ed., 1987.

VIANNA, O. Populações Meridionais do Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1973.


ESTADO, MERCADO E SOCIEDADE CIVIL

Ementa:

As relações entre Estado, mercado e sociedade civil. Poder e política, governo e Estado. As principais formas de poder, de Estado e de sistemaspolíticos. As novas configurações das relações entre estado e a sociedade civil.


Bibliografia

ANDERSON, Benedict R. O' Gorman. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo, SP: Companhia

das Letras, 2008. 330 p.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez; Campinas, SP:

Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2003.

BEHRING, Elaine R. Política social no capitalismo tardio. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002. 199 p.

BOURDIEU, Pierre. Contrafogos: táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor, 1998. 151 p.

GARCIA, Joana. O negócio do social. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor, 2004.

GENTILLI, Pablo (org.) Globalização excludente: Desigualdade Exclusão e Democracia na Nova Ordem Mundial. Petrópolis, RJ: Vozes; Buenos

Aires: CLACSO, 2000.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo, SP: Loyola, 1989.

LEHER, Roberto; SETÚBAL, Mariana (orgs.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005.

327 p.

MÉSZÁRÓS, Iztván. O poder da ideologia. São Paulo, SP: Boitempo, 2004. 568 p.

SADER, Emir; GENTILLI, Pablo (orgs.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o estado democrático. São Paulo: Paz e Terra, 1995. 205 p.

WEBER, Max. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1982.

WOOD, Ellen Meikins. Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico. São Paulo, SP: Boitempo, 2003.


Disciplinas Optativas

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Ementa:

Evolução histórica dos modelos de administração praticados no Brasil; o governo e o setor privado; Administração no Brasil Moderno; o Jeitinho brasileiro e as Organizações nacionais: a organização como manifestação cultural de um povo; desafios e tendências contempoirâneas.


Bibliografia

AXT, Gunter; SCHÜLER, Fernando (orgs.). Intérpretes do Brasil: Ensaios de cultura e identidade. Porto Alegre: Editora Artes e Ofícios, 2005. 392 p.

BRESSER-PEREIRA, Luis Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. In: SPINK, Peter (Org.). Reforma do Estado e Administração

Pública Gerencial. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

COUTINHO, Luciano & FERRAZ, José Carlos (orgs.). Estudo da competitividade da indústria brasileira. 2. ed. Campinas, SP: Papirus/ Ed. da

Universidade Estadual de Campinas, 1994.

DOS SANTOS, Theotônio. Evolução histórica do Brasil: da Colônia à Crise da Nova República. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes, 1995.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 11. ed. São Paulo, SP : Editora Globo, 1995-1997.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: Record, 1995. 569 p.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1995. 220 p.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo, SP: Alfa-Ômega, 1976. 276 p.

MARTINS, Paulo Emílio M.; PIERANTI, Octávio P. (orgs.). Estado e gestão pública: visões do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro, RJ: Editora

FGV, 2006. 340 p.

NABUCO, Joaquim. O abolicionismo. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 2000. 183 p.

POCHMANN, Marcio; AMORIN, Ricardo (orgs.). Atlas da Exclusão Social do Brasil. 3. ed. São Paulo, SP : Cortez, 2003. 222 p.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1996. 394 p.

RAMOS, Guerreiro. Administração e contexto brasileiro: esboço de uma teoria geral da administração. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Editora da FGV,

1983. 366 p.

STEDILE, João Pedro; TRANSPADINI, Roberta (orgs.). Ruy Mauro Marini: vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2007. 304 p.

WAHRLICH, Beatriz M. de Souza. Reforma administrativa na era Vargas. Rio de Janeiro, RJ: Editora da FGV, 1983. 908 p.


CULTURA E POLÍTICA NAS ORGANIZAÇÕES

Ementa:

Aspectos críticos da discussão sobre cultura organizacional. Mudança de mentalidade do empresariado brasileiro e nas relações Estado, empresa e sociedade; gênero e competição nas empresas. Relações de trabalho e flexibilização.


Bibliografia

CASTRO, Celso Antônio P. de. Sociologia aplicada à Administração. 2. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2003. 225 p.

DRUCKER, Peter F. 50 casos reais de administração. São Paulo, SP: Thomson Pioneira, 2002.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 11. ed. São Paulo, SP: Loyola, 2002. 349 p.

JAMESON, Frederic. Pós-Modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2006. 431 p.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e utopia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. 330 p.

MÉSZÁRÓS, Iztván. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2004. 568 p.

MOTTA, Fernando C. P.; CALDAS, Miguel P. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo, SP: Atlas, 1997. 328 p.

ZIZEK, Slavoj (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. 338 p.


FINANÇAS PÚBLICAS

Ementa:

Liberalismo e falhas de mercado; papel econômico do Estado; princípios gerais de tributação; Welfare State e o neoliberalismo; o consenso de Washington; os regimes cambiais; a lei do preço único; paridade coberta de juros internacionais; fluxos de capitais e crises monetárias; o risco país e o balanço de pagamentos; a autoridade monetária; política fiscal e monetária; os sistemas tributário e previdenciário; o endividamento do setor público no Brasil; a regulação econômica e as Parcerias Público Privadas; a Teoria da Escolha Pública; a nova economia institucional; os marcos regulatórios; a governança pública; o orçamento público; a gestão orçamentária pública; o planejamento no setor público; a dívida pública e o déficit público; as atribuições econômicas do Estado; receita e despesa públicas; o PPBS e o orçamento-programa; os instrumentos de planejamento governamental no Brasil - PPA, LDO, LOA; reformas fiscal e tributária; política monetária e dívida pública; política cambial.


Bibliografia

Livros:

ARVATE, Paulo Roberto; BIDERMAN, Ciro (orgs.). Economia do Setor Público no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BAUMANN, Renato; CANUTO, Otaviano; GONCALVES, Reinaldo. Economia internacional: Teoria e experiência brasileira. Rio de Janeiro: Elsevier,

2004. 550 p.

BRENNER, Robert. O boom e a bolha: os Estados Unidos na economia mundial. Rio de Janeiro: Record, 2003.

CAVES, Richard E.; FRANKEL, Jeffrey A.; JONES, Ronald W. Economia Internacional: comércio e transações globais. São Paulo: Saraiva, 2001. 598 p.

GIAMBIAGI, Fabio; ALÉM, Ana Claudia. Finanças Públicas: teoria e prática no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

KRUGMAN, Paul R.; OBSTFELD, Maurice. Economia Internacional: Teoria e Política. 5ª ed. São Paulo, SP: Makron Books, 2001. 797 p.

RESENDE, Fernando Antônio. Finanças Públicas. 5. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2001. 384 p.

STARK, Juerguen. Propostas de reforma e a criação de uma nova arquitetura financeira. In: FENDT, Roberto; LINS, Maria Antonieta Del T. (orgs).

Arquitetura assimétrica: o espaço dos países emergentes e o sistema financeiro internacional. Rio de Janeiro, RJ: Fundação Konrad Adenauer, 2002.

STIGLITZ, Joseph E. A globalização e seus malefícios: a promessa não cumprida de benefícios globais. São Paulo: Futura, 2002. 327 p.

_________. Os exuberantes anos 90: Uma nova interpretação da década mais próspera da história. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. 392 p.

STUDART, Rogério. Integração financeira, instabilidade e desempenho macroeconômico nos anos 90: algumas possíveis conexões perversas. In:

FENDT, Roberto; LINS, Maria Antonieta Del T. (orgs). Arquitetura assimétrica: o espaço dos países emergentes e o sistema financeiro internacional.

Rio de Janeiro, RJ: Fundação Konrad Adenauer, 2002.

URANI, André; GIAMBIAGI, Fabio; REIS, José Guilherme (orgs.). Reformas no Brasil: balanço e agenda. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 2004. 543 p.

WILLIANSON, John. A economia aberta e a economia mundial. 1. ed. Rio de janeiro: Campus, 1988. 394 p.

ZYLBERSZTAJN, Décio. Direito e Economia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. 315 p.

Artigos:

BOGONI, Nadia Mar et al. Proposta de um modelo de relatório de administração para o setor público baseado no Parecer de Orientação nº 15/87 da

Comissão de Valores Mobiliários: um instrumento de governança corporativa para a administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de

Janeiro, v. 44, n. 1, p. 119-142, jan./fev. 2010.

COVA, Carlos José G. As falhas de Liderança na Administração Pública: o mito da gestão estratégica governamental no Brasil. In: Fundação Escola

do Serviço Público do Estado do Rio de Janeiro (Org.). Coletânea do 9º Concurso de Casos e Textos em Administração Pública. Rio de Janeiro:

FESP/RJ, 2005, v. 1, p. 199-218.

FONTES FILHO, Rubens; PICOLIN, Lídice M. Governança corporativa em empresas estatais: avanços, propostas e limitações. Revista de

Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 6, p. 1163-88, nov./dez. 2008. Disponível em: < http://www.uff.br/sta/textos/nf012.pdf>. Último acesso:

18 Jun. 2010.

MONTEIRO, Jorge V. Um padrão de política pública na crise econômica mundial. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, vol. 42, n. 6,

Nov./Dec. 2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122008000600011 >. Último acesso: 18 Jun. 2010.

VENTURINI, Jonas Cardona et al. Percepção da avaliação: um retrato da gestão pública em uma instituição de ensino superior (IES). Revista de

Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 44, n. 1, p. 31-53, Jan./Fev. 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rap/v44n1/v44n1a03.pdf>.

Último acesso: 18 Jun. 2010.


LEITURAS CONTEMPORÂNEAS NAS ORGANIZAÇÕES

Ementa:

Reflexão sobre as abordagens contemporâneas de temas presentes no cotidiano organizacional. Conhecimento e reflexão sobre os conceitos da ética e moral na sociedade contemporânea. A ação dos profissionais, das organizações e da comunidade no meio ambiente e sua relação com a ética. O poder e suas diferentes correntes de compreensão no espaço organizacional. O tempo e espaço como elementos para compreensão da organização.


Bibliografia

BAUMAN, Zygmunt. Globalização. As conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.

BOURDIEU, Pierre. Contrafogos 2. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. p.7-16

BOURDIEU,Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CAIRNS, George. Aesthetics, morality and power: design as espoused freedom and implicit control. Human Relations, v.55, n.7, p.799-820, 2002.

CARVALHO, Cristina A.; Vieira, Marcelo M.F. O Poder nas Organizações. São Paulo: Thomson, 2007.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Editora. Ática, 2004.

COMTE-SPONVILLE, André. O capitalismo é moral? São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ELIAS, Norbert. A Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

FONSECA, Dirce M. da. O Campo da Ética. Seu Lugar na Política. Brasília, a.43 nº 169, jan./mar. 2006, p.255-262.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. 3ª ed. Rio de Janeiro: Graal Ed., 1980.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 25ª ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

FRIGOTTO, Gaudêncio. (Org.) Educação, Crise do Trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

LUKES, Stephen. Power: a radical view. New York. MacMillan, 1993

NORD, Walter R. (Orgs.) Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 2001. vol. 2,

NOVAES, Adauto. (Org.). Ética. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

PAGÈS, M. O Poder das Organizações. São Paulo: Atlas, 1987

PECI, Alketa ; VIEIRA, M. M. F. ; CLEGG, Stewart . A Construção do Real e Práticas Discursivas: o poder nos processos de institucionaliz(ação).

Revista de Administração Contemporânea , Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 51-72, 2006.

PENA, Roberto P. M. Responsabilidade social da empresa e Business Ethics: uma relação necessária ? Atibaia/SP, EnANPAD, 2003, v. 1.

SENNETT, Richard. A Corrosão do Caráter. Conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2005.

TONELLI, M. J. . Produção de Sentidos: Tempo e Velocidade nas Organizações. Revista de Administração Pública Rap, São Paulo, v. 37, p. 33-50,

2003.

TONELLI, M. J. . Sentidos do tempo e do tempo de trabalho na vida cotidiana. O&S. Organizações & Sociedade, v. 15, p. 207-217, 2008.

VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

VERGARA, Sylvia Constant ; VIEIRA, M. M. F. . Sobre a Dimensão Tempo-Espaço na Análise Organizacional. Revista de Administração

Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 103-120, 2005.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília: UnB, 1991, p. 139-167.]


SOCIOLOGIA DO TRABALHO E DAS ORGANIZAÇÕES

Ementa:

A pertinência da problemática das organizações e do trabalho como objeto de estudo da Sociologia. Os clássicos do pensamento sociológico (Émile Durkheim, Karl Marx e Max Weber) e suas contribuições para o pensar o trabalho e as organizações. A relação emprego desemprego na atualidade, as mudanças tecnológicas; tempo e a disciplina. O paradoxo atual das sociedades fundamentadas no trabalho. Visão ontológica do trabalho. A profissionalização do trabalho. O indivíduo e a organização. Processo de organização do trabalho frente aos novos modelos de gestão. Mudança organizacional. Cultura das organizações.


Bibliografia

ANTUNES, Ricardo (Org.). Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2006.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora Universidade Estadual de Campinas, 2003

ANTUNES, Ricardo. O caracol e sua concha. A crise da sociedade do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

ARON, Raymond. Etapas do Pensamento Sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BERNOUX, Philippe. La Sociologie des Organisations. Paris : Éditions du Seuil, 1985.

CASTEL, R. As Metamorfoses da Questão Social. Uma crônica do salário. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DURKHEIM, Emile. Da divisão do Trabalho Social. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

FREIRE, João, Sociologia do Trabalho: uma introdução, Porto, Ed. Afrontamento, 2002.

HIRATA , H. Sobre o Modelo Japonês. São Paulo. Edusp. 1995

LALLEMENT, Michel. História das Idéias Sociológicas. Petrópolis: Vozes, 2003.

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

OFFE, C. Trabalho: categoria chave da sociologia? In: Revista trabalho e Sociedade. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro. 1989. vol.1

MARX, Karl. O capital. Liv. 1, Vol., 1, Rio de Janeiro. Civilização, 1968.

MERCURE, Daniel e Spurk, Jan. O Trabalho na História do Pensamento Ocidental. Vozes. 2005.

MORIN, Estelle M.. Os Sentidos do Trabalho. In.: Revista de Administração de Empresas ? RAE. V. 41, N.3, Jul/Set 2001. P. 8-19.

NEFFA, Julio. C. El Trabajo Humano. Contribuciones al estudio de un valor que permanece. BUENOS Aires: Lumen, 2003.

SAINSAULIEU, Renaud. Sociologia da Empresa: organização, cultura e desenvolvimento, Lisboa, Instituto Piaget, 2001.

SMIRCICH, Linda; CALÁS, Marta (ed) ? Critical Perspectives on Organization and Management Theory. Sydney: Dartmouth, 1995.

WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. 13º Ed. São Paulo: Pioneira. 1999.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. México, Fondo de Cultura Económica, 1984.


TÓPICOS ESPECIAIS EM ADMINISTRAÇÃO

Ementa:

A ementa dessa disciplina é dinãmica no sentido em que objetivo da disciplina é permitir que docentes experimentem novos desenhos de disciplinas inovadoras, fazendo com que a grade curricular possa ser modificada, atualizada e expandida. Essa disciplina também permitirá que os dicentes entrem em contato com aspectos específicos dos projetos de pesquisa existentes no PPGA e liderados pelos seus docentes.

Bibliografia

A ementa será composta de livros, trabalhos em Anais e artigos de revistas acadêmicas.


Disciplina Obrigatória de Formação para Docência Superior

METODOLOGIA DE ENSINO SUPERIOR

Ementa:

Metodologia do ensino superior e as principais técnicas didático-pedagógica. Reflexões sobre o papel do ensino, as funções da docência de nível superior. Análise do conceito da didática, modelo e planejamento de ensino, e estratégias de ensino e aprendizagem. Fundamentos da Educação Tecnológica. Teorias Contemporâneas de Aprendizagem aplicadas às novas tecnologias intelectuais. Tecnologias Digitais. Educação, Informática e Sociedade. Redes em Educação. Ambientes de Aprendizagem suportados por tecnologias de comunicação: conceitos, análise de projetos educativos.


Bibliografia

Bibliografia Básica

-------------------

GIL, Antonio Carlos. Didática do Ensino Superior. São Paulo:Atlas, 2006.

GIL, Antonio Carlos. Metodologia do Ensino Superior. São Paulo: Atlas, 2007.

Demo, Pedro. COMPLEXIDADE E APRENDIZAGEM: A Dinâmica não Linear do Conhecimento. São Paulo: Atlas, 2002.

Lowman, Joseph. DOMINANDO AS TÉCNICAS DE ENSINO. São Paulo: Atlas, 2004.

Artigos

-------

CYRINO, Eliana Goldfarb; TORALLES-PEREIRA, Maria Lúcia. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da

saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, June 2004 .

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Interface Comun Saúde Educ 1998; 2:139-54

Cunha MI. Ensino com pesquisa: a prática do professor universitário. Cadernos de Pesquisa 1996; 97:31-46.

Teixeira, Aurora A. C. and Rocha, Maria Fátima. Cheating by economics and business undergraduate students: an exploratory international

assessment. Higher Education, Volume 59, Number 6 / June, 2010.

Rocha, R. de C. R., Oliveira, J. L. C. de e Tourinho, M. B. A. da C.. Ideologia Pragmática na Gestão da Educação Superior ? Perspectiva de Docentes

em Instituição Privada de Ensino. EnANPAD 2008.

Arcanjo, F. S., Carvalho, M. S. e Vieira, F. de O.. O Papel dos Jogos como Recurso Didático em Programas de Educação Corporativa. EnANPAD

2009.

Maranhão, C. M. S. de A., Motta, F. M. V. e Leitão, P. C. C.. Por uma Educação Crítica em Marketing: o Modelo das Três Dicotomias de Hunt como

Ferramenta Introdutória? EnANPAD 2006.

Rosas, A. R. e Sauaia, A. C. A.. Jogos de Empresas na Educação Superior no Brasil: Perspectivas para 2010. EnANPAD 2006.

Maranhão, C. M. S. de A. e Paes de Paula, A. P. História e Projetos da Pedagogia Crítica: Trilhando um Caminho Possível no Ensino da

Administração. EnANPAD 2008.

Winkler, I., de Abreu, J. C. A., Morais, K. S., da Silva, L. P. e de Pinho, J. A. G.. O Processo Ensino-Aprendizagem em uma Disciplina de

Administração: Percepções de Docentes e Discentes. EnANPAD 2009.

Mafra, F. L. N., Cappelle, M. C. A., Mendonça, M. C. A., Oliveira, M. de L. S. e Paula, M. das G.. Ensino-Aprendizagem numa Perspectiva Crítica:

Relatos de uma Experiência. EnANPAD 2009.

Parente, T. C., Cabral, A. C. de A., de Andrade, A. G. de A., Bonadies, G. R. M. e Pessoa, M. N. M.. A Importância da Prática no Ensino: a Opinião

dos Alunos de Administração de uma Instituição de Ensino Superior. EnEPQ 2009.

de Campos, S. A. P., Estivalete, V. de F. B., Reis, E. e Löbler, M. L.. Conhecendo o Estilo de Aprendizagem e as Competências mais Valorizadas

pelos Futuros Administradores: Um Estudo envolvendo alunos de Graduação em Administração de uma Instituição Federal de Ensino. EnEPQ 2009.

de Faria, J. H. e Meneghetti, F. K.. Razão Tradicional e Razão Crítica: os Percursos da Razão no Ensino e Pesquisa em Administração na concepção

da Teoria Crítica. EnANPAD 2005.

de Campos, L. O. B. N. e Mesquita, H. T.. O Ensino da Administração sob a Ótica do Discente. EnANPAD 2005.


Disciplinas Obrigatórias de Apoio às Atividades de Orientação e Pesquisa

ATIVIDADES PROGRAMADAS I

Ementa:

As atividades programadas visam a disseminação da produção acadêmica: apresentação de trabalhos em eventos de reconhecido mérito acadêmico; organização de eventos acadêmicos no Programa; participação em outras atividades acadêmicas que visam o desenvolvimento da dissertação. A participação nas atividades dependerá da aprovação do professor-orientador.


Bibliografia

A ser definida de acordo com as atividades.


ATIVIDADES PROGRAMADAS II

Ementa:

As atividades programadas visam a disseminação da produção acadêmica: apresentação de trabalhos em eventos de reconhecido mérito acadêmico; organização de eventos acadêmicos no Programa; participação em outras atividades acadêmicas que visam o desenvolvimento da dissertação. A participação nas atividades dependerá da aprovação do professor-orientador.


Bibliografia

A ser definida de acordo com as atividades.


SEMINÁRIOS DE PESQUISA I

Ementa:

A disciplina Seminários de Pesquisa I visa discutir as questões teórico-metodológicas específicas de cada linha de pesquisa. O processo de construção do objeto. Principais aspectos do processo de elaboração de dissertações. Leitura e discussão de trabalhos acadêmicos representativos.


Bibliografia

A ser definida de acordo com os temas tratados nas dissertações.


SEMINÁRIO DE PESQUISA II

Ementa:

A disciplina Seminários de Pesquisa II visa discutir as questões teórico-metodológicas específicas de cada linha de pesquisa. O processo de construção do objeto. Principais aspectos do processo de elaboração de dissertações. Leitura e discussão de trabalhos acadêmicos representativos.


Bibliografia

A ser definida de acordo com os temas tratados nas dissertações.